Ode aos Loucos/Here’s to the crazy ones

Também chamados de desajustados, rebeldes e criadores de caso.
Aqueles que vêem coisas de uma forma diferente, que não gostam de muitas regras e que não respeitam o status quo.
Você pode elogiá-los, discordar ou duvidar deles, endeusá-los ou difamá-los.
A única coisa que não pode fazer é ignorá-los, pois eles provocam mudanças.
Eles inventam. Imaginam. Resolvem. Exploram. Criam e inspiram.
Eles obrigam a raça humana a evoluir. Talvez eles tenham que ser loucos.
De outra forma, como alguém poderia enxergar uma obra de arte em uma tela vazia? Ou sentar em silêncio e imaginar uma música que nunca foi escrita? Ou olhar a lua e imaginar uma estação espacial?
Alguns podem vê-los como loucos, nós os chamamos de empreendedores.
Pois as pessoas que são loucas o suficiente para pensar que podem mudar o mundo, são justamente aquelas que o fazem.

Here’s to the crazy ones

The misfits.
The rebels.
The troublemakers.
The round pegs in the square holes.
The ones who see things differently.

They’re not fond of rules.
And they have no respect for the status quo.

You can praise them, disagree with them, quote them,
disbelieve them, glorify or vilify them.

About the only thing you can’t do is ignore them.
Because they change things.

They invent. They imagine. They heal.
They explore. They create. They inspire.
They push the human race forward.

Maybe they have to be crazy.

How else can you stare at an empty canvas and see a work of art?
Or sit in silence and hear a song that’s never been written?
Or gaze at a red planet and see a laboratory on wheels?

We make tools for these kinds of people.

While some see them as the crazy ones, we see genius.
Because the people who are crazy enough to think they can change the world,
are the ones who do.

Momento Super Poderosa

Fui no Procon.

Esta semana me passaram o mail da Ouvidoria da Tim (update: ouvidoria@tim.com.br), eu escrevi e eles me ligaram no mesmo dia. Incrível, tem um carinha lá que fica até tarde da noite, e fez todo o contato com a Nokia e a MCS. Bom, embora não seja culpa da Tim, ele até tem razão, se eu tivesse que comprar outro celular alem de ser um LG ou Sony Ericsson(porque tudo menos Motorola) ia ser de outra operadora, por tabela eu já estava ficando com raiva da Tim. Daih ele conseguiu que a Nokia me ligasse para dizer que “apesar de ser constatada a oxidação por umidade(só se bolsa de couro agora transpira. dá até pra plantar samambaia então) eles estariam autorizando o conserto do aparelho”. Otimo, quando? “Ah, aí depende da assistência técnica”. É? Tá bom.

Acordei hoje super cedo para chegar lá e ainda ter senhas de atendimento, alem de imaginar que sabado de manhã cedo provavelmente não teria que esperar muito. Fui atendida de imediato, relatei toda minha triste historia, anexaram os xerox, mandei a carta, protocolo aberto e assinado. Saí me sentindo altamente cidadã. Se eu não fosse, provavelmente daqui um mês vou receber um celular todo estourado. E ia levar algum tempo até começarem a ter reclamações suficientes para eles começarem a agir com alguma competência. E todo o transtorno que eu tive também. Conheço muita gente que teria ficado no prejuízo – e olha que o preju daquele celular não é barato – e ficado por isto mesmo. Ou que teria feito de tudo pra não acordar cedo no sábado e ir no Poupatempo. Eu fui 😀

Na volta, ainda tive que dar exemplo denovo. Estava sentada no ônibus(minha carta é outro longo assunto) e entrou uma mulher com uma criança de colo, e foi lá pros lados dos bancos reservados. Daqui a pouco ela volta e para do meu lado, eu me espantei e perguntei “porque você não pega seu lugar?” e ela resmungou qualquer coisa de “fiquei parada lá do lado e ninguém saiu”. Eu olhei para os bancos bem no momento que um moleque de uns 16 anos desviava os olhos, ao mesmo tempo que eu me tocava que a criança estava pesada e não era hora de discutir quem é que devia ceder o lugar. Saí, e depois que ela sentou olhei para o moleque que tava no assento reservado, e adivinha de onde era o uniforme que ele estava usando? Eu juro, MCS Assistencia Técnica. Quase dei risada sozinha, mas daí não era meu papel ir lá tirar o moleque, era papel dela ou do marido dela segurando a bolsa olhando com cara de “não tenho nada com isto”. Achei até bom a atitude dele pra esta mulherada parar de ficar achando que homem vai ou tem que resolver os problemas dela. Quando fui descer, falei pra ela com calma “menina, não deixa isto acontecer denovo, é seu direito, tá na lei, viu?”

Acho que vou até criar uma nova tag, pra guardar os textos selecionados, estou merecendo aquela Ode aos Loucos: “as pessoas que são loucas o suficiente para pensar que podem mudar o mundo, são justamente aquelas que o fazem.”

Bom, depois de salvar o mundo, meu merecido shiatsu. Eu adoro sábado…

Políticos e professores

— Pai, quem é aquele homem na TV?

— É o professor Luizinho, meu filho.

— Professor? E ele dá aula de quê?

— Ele não dá aula, meu filho. Ele é político. Professor é o nome dele. Na verdade, apelido. O nome é Luiz.

— Mas se ele não dá aula, não devia se chamar “professor”.

— É que antes de ser político ele era professor, meu filho…

— Ah. Ser professor é legal, né? Quando eu crescer quero ser professor. Olha como ele tá feliz…

— É. Ele foi absolvido. Perdoado. Inocentado.

— O que ele fez?

— Foi acusado de pegar um dinheiro que não era dele.

— E pegou?

— Pegou.

— Então ele é culpado!

— É. Mas foi inocentado. E agora está feliz.

— Quem inocentou?

— Os colegas.

— Professores?

— Não, políticos.

— Se fossem professores não inocentavam.

— Como é que você sabe, meu filho?

— Ah! Meus professores, quando pegam um aluno que roubou o lápis do outro, levam pra diretoria. Dizem que quem rouba não merece respeito.

— …

— Pai?

— Oi, filho.

— O que é melhor ser, professor ou político?

— Ah, filho, depende. Professores educam. Políticos fazem leis, representam o povo.

— O professor Luizinho representa você?

— Eu? Eu não, Deus me livre! Não votei nele.

— Então, ele representa quem?

— Outras pessoas, que votaram nele.

— Essas pessoas sabiam que ele pega dinheiro que não é dele?

— Não sei. Acho que não.

— Pai?

— Oi, filho.

— Quem ganha mais dinheiro, professores ou políticos?

— Ah, os políticos. Muito mais!

— Então, não entendi.

— O que, meu filho?

— Se como político o Luizinho ganha muito mais dinheiro do que como professor, pra que ele pegou o dinheiro?

— …

— Pai?

— O que é, filho?

— Quando deixar de ser político, o Luizinho vai voltar a ser professor?

— Não sei, filho. Talvez.

— Então vou rezar pro Papai do Céu.

— Pra que, filho?

— Pra que ele não venha dar aula na minha escola…”

Boa semana e boas aulas.

(recebi e repasso, não sei de quem é)

Which Revenge of the Sith Character are you?

You scored as General Grievous.

General Grievous
 
89%
C-3PO
 
75%
Anakin Skywalker
 
72%
Yoda
 
69%
Clone Trooper
 
67%
Darth Vader
 
67%
Padme Amidala
 
64%
Mace Windu
 
53%
Emperor Palpatine
 
50%
R2-D2
 
50%
Obi Wan Kenobi
 
50%
Chewbacca
 
33%

Which Revenge of the Sith Character are you?
created with QuizFarm.com

Não que eu não preferisse ser Anakin ou Darth Vader, mas a idéia de ter 4 sabres de luz não é nada má…

Not that I don’t prefer to be Anakin or Vader, but having 4 light sabers is not a bad idea…

TIMganei

Celular é realmente um pesadelo. Operadoras de telefonia então são um pesadelo causado por indigestão.

Quando fui pra India, liguei pra minha operadora e perguntei os custos de roaming. Obvio que me passaram um valor bem diferente do que veio na conta, e “infelizmente foi informado errado para a senhora, a única coisa que podemos fazer é abrir uma reclamação sobre esta informação errada”. Isto sem falar, claro, no fato de que eu comprei o aparelho porque ele enviava mail e até hoje a TIM não sabe configurar, e eu paguei pela transmissão de dados de todas as tentativas, mal sucedidas obviamente. TIMganei…

Começo do ano(reparem nas datas) meu Nokia 6822 começou a piscar o display, do nada. E eu cuido do celular, os únicos arranhões que ele tem são de ficar perto do chaveiro. Levei à assistência técnica. Porque eu não prestei atenção nos sinais para não deixar lá? Tipo, que tipo de loja fica aberta até as 8 mas só recebe celular até as 6, já que a responsável pela assistência técnica saiu? Deixei o aparelho na MCS da Av Paulista dia 16 de janeiro, recebi um papelzinho rabiscado à mão porque o sistema estava fora do ar. Me passaram o telefone, e o prazo de 2 dias para diagnóstico. Se ali não resolvesse, seguiria para o laboratório da Nokia. Já tentaram ligar para esta loja? Ninguém atende. Esquece, ninguém atende, não adianta. Uma semana depois, finalmente recebo o diagnóstico da central de atendimento da MCS de que o aparelho está indo para o laboratório da Nokia. Finalmente no dia 6 de fevereiro, recebo o aviso para ir buscar o aparelho. Cheguei lá depois do trabalho, umas 19hs, e tive um ataque quando disseram que o aparelho estava no cofre e a responsável já tinha ido embora e levado a chave. Reparem, loja na Av Paulista. Obviamente tive que chegar atrasada no trabalho para poder pegar o aparelho. Adivinha? O display estava arrumado, mas o teclado não funcionava mais. Com todas as forças aceitei o destino e lá ficou meu aparelho. Lá pelo dia 20, quando recebo a notícia de que o aparelho ainda nem foi pro laboratório. Reparam que aqui já se passou 30 dias, o prazo estabelecido pelo Procon para que eles resolvam?

Depois do carnaval, liguei na central de atendimento da MCS, e recebo a notícia de que o aparelho oxidou por má utilização e perdeu a garantia. Não, para, é pegadinha né? Cadê a câmera???

Cara, não adianta. Pode ser Nokia ou Kyocera, TIM ou Vivo, Av Paulista ou Piraporinha do Norte, consumidor é sempre palhaço. O pior de tudo é trabalhar numa área que os problemas são pra ontem, e não interessa como, TEM que resolver, TEM que funcionar. Daí eu encontro este tipo de atendimento. Você gasta seu dinheiro e o povo ainda acha que tá te fazendo favor. Eles fazem todas as merdas deles e ainda dão um jeito de fazer você pagar o pato. Será que eu botei tachinha nas cadeiras da Última Ceia???

Bom, e lá vamos nós… óbvio que vocês sabem que isto não vai ficar barato né? Amanhã mesmo eu vou no Tribunal Especial Cívil, antigo Juizado de Pequenas Causas. Vou lá direto, se for caso de Procom, até volto, mas vou lá direto. Pode levar um ano, ou quantos forem, mas daih eles vão me pagar os contatos perdidos, os minutos do plano que eu paguei sem utilizar o serviço, o tempo que me fizeram gastar, as horas de trabalho que eu perdi para tentar resolver isto… vocês entenderam.

Atualizado: encontrei neste site inúmeras reclamações sobre o tratamento da Nokia para aparelhos com problemas, e adivinhem, em 2 min encontrei um caso igualzinho ao meu! O aparelho não é o mesmo, mas a desculpa é que ele foi molhado, oxidou e perdeu a garantia!

Cell phones are a real nightmare. Cell phone companies are a headache by hangover.

When I went to India, I call my mobile carrier and I asked the costs of roaming. Obviously that they inform to me a very different value from the value that it came in the bill. When I called to complain, all I heard was “unfortunately someone gave you the wrong information, and the only thing that we can make is to open a claim on this information”. Despite the fact that I bought the device because it suppose to sent mail, and until today the carrier, TIM, does not know how to configure it, and I paid for every transmission of data of all the attempts, with no success, obviously. TIMganei…

In the beggining of this year(please pay attention on the dates) my Nokia 6822 suddenly started to blink the display. And I really take care of of the device, the only scratches that it has is for to be close to the keys on my purse. So I took it to the technical assistance. Why I did not pay attention in the signals to do not leave it there? Like, that kind of store is open until the 20:00 but it only receives cellular until the 18:00, since the responsible for the technical assistance has left? I left the device in the MCS of the Paulista Avenue, the heart of the one of the biggest cities in the world, at January 16, and I received a piece of paper, written by hand, because the system was is offline. They had passed me the telephone number of the store, and the stated period of 2 days for diagnosis. If they was unable to solve the problem there, would follow for the laboratory of the Nokia. Had someone actually tried to call this store? Nobody answer the phone. Really, forget it, nobody will pick up the phone. I found the number of the consumer service, and they spend a lot of days running software diagnostics. Sure, what more could be…
One week later, I finally receive the diagnosis from the central office attendance of the MCS. The device was going for the Nokia lab. Finally, in February 6, I called and they told me to go pick the device. I went to the store after work, around 19hs, and they had said that the device was in the safe and the responsible one had gone even and taken the key. Please notice, a store in the Paulista Avenue. Obviously I had that to arrive late in the work to be able to catch the device. Guess what? The display was fixed, but the keyboard did not function more. With all the forces I accepted my fate and there it was my device. Around February 20, I receive the news that there are no news, the device was not fixed nor was going to the laboratory. Do they know that the Consumer Protection says they have 30 days to solve the problem?

After the carnival, I call for the hundred time in the central office of attendance of the MCS, and receive the news that the device has oxidized for bad usage and lost the guarantee. No, like, you kidding right? Where is the camera?

Let’s face, it is all crap. No matters it is Nokia or Kyocera, TIM or Vivo, Paulista Avenue or Piraporinha of the North, the consumer are always the clown. The worse of everything is the fact that I work in an area that the problems need to be fix yesterday, and does not matter how, IT HAS that to fixed, IT HAS that to work. And when you need, this is the kind of service you get. You spend your money, and the people from service providers still thinks that they are making you a favor. They make all shits and still make you to pay the bill. Did I put some nails in the chairs of the Last Supper?

Jeez, and here we go again… obviously you know that this is not over, right? Tomorrow I will go in the Special Court Cívil, old Court of Small Causes. I go there direct, will be case of Consumer Protection, then I come back, but I go there directly. It can take one year, or how many will be, but then they will to pay for the lost contacts, the minutes of the bill that I paid without using the service, the time that had made me to spend, the working hours that I lost to try to solve that… you got the idea.

Updated: I found this site with several complains about Nokia and its guarantee(or the lack of it), and within less than 2 minutes, I found someone with the exactly same situation: a mobile which they said had been wet and lost it guarantee.

O verdadeiro dia da Mulher

Mulher na Casa Militar de SP irrita coronéis

Muitos dos 56 oficiais coronéis da Polícia Militar preteridos com a indicação da coronel Fátima Ramos Dutra, para chefiar a Casa Militar do governo paulista, estão indignados com a indicação do governador de São Paulo e candidato à presidência pelo PSDB, Geraldo Alckmin. Ele escolheu, no último dia 8 de março, pela primeira vez na história, uma mulher, a coronel Fátima Ramos Dutra, para chefiar a Casa Militar.

Uma reunião da Comissão de Segurança Pública da Assembléia Legislativa foi convocada na quarta-feira para debater a constitucionalidade da indicação, informou o jornal Folha de S.Paulo “É inconstitucional”, diz o presidente da comissão, o deputado Afanasio Jazadji, do PFL.

Procurada no Palácio dos Bandeirantes, a nova chefe da Casa Militar não quis dar entrevistas ontem.

Diz o artigo 141 da Constituição paulista: “O chefe da Casa Militar será escolhido pelo governador entre oficiais da ativa, ocupantes do último posto do quadro de oficiais policiais militares”. “Ela é do quadro de oficiais policiais femininos, não pertence ao quadro de oficiais da PM, como exige a Constituição”, diz Jazadji.

As carreiras de oficial PM e de oficial policial feminino são separadas. Mesmo que obtenha a patente de coronel, uma mulher pela Constituição estadual vigente não pode aspirar a ocupar a chefia da Casa Militar nem exercer o comando geral da PM, prerrogativas dos oficiais do quadro masculino da corporação.

http://noticias.terra.com.br/brasil/interna/0,,OI922734-EI306,00.html

Enquanto isto, no Rio de Janeiro, com direito a comentário exclusivo da Renata: “Claaaro que isso resolve TODOS os problemas. Ao invés de pegar o mané que sai passando a mão numa mulher no trem e prendê-lo, é mais fácil separar a mulher em outro vagão. Incrível. Então vamos fazer assim: separamos definitivamente as mulheres dos homens nas ruas, em casa, no trabalho, em todos os lugares, e aí nunca mais teremos abusos sexuais! Perfeito, não?”

Mulheres terão direito a vagões exclusivos em trens e metrôs

No dia Internacional da Mulher, os deputados estaduais aprovaram o projeto de lei que obriga a criação de vagões específicos de trem e metrô para mulheres em horários de maior movimento. O projeto, do deputado Jorge Picciani (PMDB), presidente da Assembléia Legislativa (Alerj), foi aprovado em regime de urgência e em discussão única. Agora, segue para sanção da governadora Rosinha Matheus, que terá 30 dias para avaliá-lo. Após a sanção, as concessionárias terão mais 30 dias para cumprir a determinação, ou ficarão sujeitas a multas de 150 Ufirs.

Os vagões específicos vão funcionar entre 6h e 9h e entre 17h e 20h. O projeto foi modificado pelo deputado Luiz Paulo (PSDB), relator na Comissão de Constituição de Justiça. Ele acrescentou ao texto um artigo que prevê algum tipo de identidade visual nos vagões especiais e determina que eles não serão necessários aos sábados, domingos e feriados.

Picciani alegou que o projeto vai evitar a ação de homens que se aproveitam da superlotação dos vagões para abusar das mulheres. Disse também que a iniciativa não implicará em custos adicionais para as concessionárias:

– Resguardar direitos individuais das mulheres não representa nenhum custo. As empresas devem aderir, e nós esperamos que o façam de forma eficiente e imediata. A partir do momento que virar lei, esperamos que as empresas ajam nesse sentido, senão usaremos todos os instrumentos legais.

Segundo ele, o projeto não pode servir de pretexto para o aumento das passagens:

– A Supervia e o Metrô acabaram de ter um grande benefício do estado, que foi a desoneração do ICMS da energia elétrica. Temos que reabrir esse debate sobre a redução de tarifas, e não de aumento.

Internautas aprovaram medida em enquete

Os leitores do Globo Online são a favor da criação de vagões exclusivos para mulheres. Uma enquete feita com 2.288 leitores revelou que 63,85% acreditam que a medida impedirá abusos e desrespeitos.

A deputada Heloneida Studart (PT) comemorou a aprovação do projeto.

– O corpo da mulher é o seu território mais sagrado. Não são poucas aquelas que andam nos trens e sofrem abusos sonsos e covardes. Falo isto porque quando era jovem já fui vítima.

A concessionária Metrô Rio afirmou que só irá se pronunciar sobre o projeto após a sanção da governadora. Já a Supervia afirmou que só se pronunciará depois que sua diretoria avaliar a proposta da Alerj.

http://oglobo.globo.com/online/rio/mat/2006/03/09/192203152.asp

Eu já disse que odeio windows?

Tenho uma amiga pela qual eu sempre estou prestando suporte gratuito para que ela mantenha o Linux. Quando a conheci, ela estava praguejando um Slackware que uma outra pessoa tinha tido a brilhante idéia de instalar para ela. Imagina, artesã, com boa vontade já tinha até enfeitado todo o KDE e trocado os icones por florzinhas, mas abrir uma console preta e ter que digitar comandos a desagradava terrivelmente. Antes que ela voltasse ao Windows, me ofereci para instalar o Suse, que na época estava saindo na LinuxMagazine em Portugues, e fomos lá. Periodicamente eu fazia uma visita para arrumar alguma coisa: as mids que ela não conseguia ouvir(e até hoje não consegue pq eu não sei arrumar), colocar algum link para a câmera, colocar o OpenOffice em português. Passaram-se longos meses com alguma revisão periódica, mas toda vez que eu chegava lá o computador estava ligado no Linux, muito pouco ligavam(ela, o marido e o filho) o Windows.

Então eu conheci o Ubuntu e achei perfeito para ela, afinal a grande reclamação era a instalação de programas, ela dizia que nunca achava nada pro Suse. Para não causar muito impacto, instalei o Kubuntu, preservando toda a configuração do KDE. Minha impressão foi de que o Kubuntu não tem o KDE tão bem integrado quanto o Gnome no Ubuntu, mas deixei para eles usarem e coletaria depois as impressões. Os primeiros dias de adaptaçao foram difíceis, mas foi ficando. Aprenderam a instalar pacotes, configurei novamente a camera mas nao ainda não sei o que fazer com as mids.

Pois bem, neste meio tempo o Windows deu algum virus horroroso, pq eu nunca vi um windows daquele jeito, eles instalaram alguma coisa la que ficou todo estranho. E o marido dela tinha falado em voltar pro Suse, então me programei para ir lá fazer o transplante geral. No fim a idéia de voltar ao Suse era só dele, ela estava gostando mais do Ubuntu pelo lance dos repositórios de programas. Ok, entao vamos só fazer backup do ruindows e reinstalar. Formatando C….. erro, reinicie. Formatando C…(três pontinhos representando uns 45min) erro, reinicie. Loop infinito. Eu tento ameaçar o windows: “se você não quer trabalhar aí, tudo bem, eu te instalo num vwmare e quero ver se tú não vais funcionar”. Acho que ele ficou bravo… eu digo: “Olha, não tá rolando”. Nestas “reiniciações” de vez enquando checava o Ubuntu, tava lá, blz. Então o marido dela resolveu “deixa eu ver”. Digitou instalar, e começou um defrag e o inicio da instalação. Eu perguntei “como você fez?” Resposta básica windowzera: “não sei”. Erro, reinicie. Bom, deixa eu ver o Ubuntu… eles vão pegar café… apagou a MBR… putz, deixa eu fazer um rescue então. root=/dev/hda6 … kernel panic…. hmmm, sera que era hda5? kernel panic… Não, ele não faria isto…. rescue, dmesg: hda tem uma única partição contendo o hd inteiro. Nesta hora o pânico se instala pra mim, parada, com as mãos no rosto, sem acreditar. O que eu vou fazer, dd e ficar lendo dump em hexa? Não, tem que ter um jeito***. Pensa… tem um cd do Kurumin aqui na pilha… Kurumin, Guia do Hardware… hmmm…. ICQ, vaz, Morimoto… Morima, socorro! Calma, só ir no Guia do Hardware, procura um artigo sobre recuperar partições perdidas, baixa o testdisk, ele vai achar tudo pra ti. E lá temos a partição, inteira, intacta, até os journalings do ReiserFS. E eu nem lembrava que tinha instalado com ReiserFS… Horas depois o Grub ainda se recusava a ser reinstalado, dizia que não conseguia ler o stage1, então radicalizei, instalei o Kubuntu em cima da partição do Windows, e coloquei as configurações pra iniciarem a instalação anterior. Depois fui pra casa, isto no outro dia já, sem querer ver computador na frente. Continua fim de semana que vem, onde vou levar meu hd para fazer um backup completo e apagar tudo, passar badblocks e separar uma partição pro /home que eu nao aguento mais ficar calculando espaço pra ficar fazendo backup de um sistema no outro. Bom, fim de semana que vem tem a promessa de uma pizza de cogumelos, feita por uma legítima italiana, que chama o computador de impiastro.

Já mencionei que eu odeio windows?

*** Neste meio tempo a notícia se espalha primeiro pra ele que vai contar pra ela:

ele:”a Sula bootou com o cd do Suse, daih o Suse…”
eu:”O Suse não, o Windows! Peraí!!!!”
ela:”perdeu tudo?”
ele:”foi”
ela:”tem backup?”
ele: “uns 80%”
ela:”o que ta faltando”
ele:”as últimas páginas que a gente fez(eles estão fazendo um site sobre artesanato)”
ela:”aquelas que eu falei pra você fazer upload pro servidor?”
ele:”é”
Neste momento ela sai xispando da sala xingando alguma coisa que eu não me esforcei muito pra entender. Depois volta e conversa numa calma como se nada tivesse acontecendo. Eu não entendo a calma dela, e ela me diz “eu tô calma porque eu sei que você vai dar um jeito”.

I have a friend who I support her Linux box for free to keep her using Linux. When I meet her, she was cursing a Slackware installation someone had the brilliant idea to install for her. You can imagine an artist, who with a lot of good will already changed KDE looks and the all icons by flowers, but also hated open a black console and type some strange commands. Before she give up and turn back to Windows, I offer to install Suse, at that time the brazilian LinuxMagazine was going out with a portuguese version of Suse. By time to time I used to visit and check if everything was fine, fixing any problem like the digital camera link, or put OpenOffice in portuguese or trying to get her mid songs to play(which I still don’t know how to fix). After several months they used Linux a lot more then windows, her, her husband and her son.

So I meet Ubuntu and thought immediately of her, after all the major complaining was about installing new software, she always had problems to find software for Suse(remember, she is a user, not a sysadmin). To make things simpler, I installed Kubuntu, maintaining all KDE configuration and her flowering icons. My first impression was that Kubuntu is not so well integrated with KDE as Ubuntu is integrated with Gnome, but I installed and waited for comments. The first days were more difficult, but they got it. They had to learn how to install software, I set the camera link again, but still don’t know what to do about the mid songs.

Meanwhile, the windows installation had some terrible virus, I never saw a windows like that, they installed something I don’t know what but made windows very strange. And her husband wanted Suse again, so I booked some time to go there and make all things they wanted. After all, the Suse idea was aborted, she liked Ubuntu because all repositories and stuff. So, let’s just backup and reinstall windows. Formating C:… error, please reboot your computer. Formating C… (three dots here mean 45 minutes waiting) error, please reboot your computer. Infinity loop. I checked for Ubuntu installation, it was fine. I try to threaten windows: “if you don’t want to work, that’s fine, I install you in some virtual machine software and we will see”. I think this got it anger… I give up, “it is not working and I don’t know how to handle windows”. So, her husband say “let me check”. Then he types “install”, the defrag software starts and then appear the beginning of windows installation. I ask “how you did that?” and I got a usual windows answer “I don’t know”. But not worked, some error and please reboot your computer. Ok, let me check if everything is fine with Ubuntu, while they go pick some coffee. No MBR… damn it, let’s make a rescue… root=/dev/hda6… kernel panic, was it hda5? kernel panic… no, it can’t be… rescue, dmesg: just one big partition with the whole disc… I start to panic, hands over face, skeptic. What I gonna do, run dd and read the hexa dump? No, it has to have another way***… Thinking… look around… there is a Kurumin(a knoppix based Linux distribution in portuguese) cd around here… Kurumin, Hardware Guide… hmmm… ICQ, Vaz, Morimoto… Morima, help! Calm down, you just go to the site, look for a recovering lost partitions article, download testdisk and it will find everything to you. And it actually did, there was the partition, including the ReiserFS journaling. I was even remembering I installed as ReiserFS. Some hours later the Grub still refused to reinstall, complaining something about stage1. I push down and install Kubuntu again, over the previous Windows partition, added configuration to load the old installation. Then I go home, it is already a new day, and the last thing I want to see is another computer. It continues next weekend, when I will bring my HD and make a full backup, run badblocks and stuff, erase everything and install all again. There is also a promisse for a funghi pizza, made by original italian person, who calls the computer “impiastro”.

Have I mentioned I hate windows?

***Meanwhile, the bad news start to spread around, while he wents to tell her:

He: “Sula has turn up with the Suse cd, then the Suse…”
Me: “Not the Suse, the windows! C’mon!!!”
She: “Everything is lost?”
He: “yes”
She: “do we have backups?”
He: “almost everything, about 80%”
She: “what is missing?”
He: “the new pages”
She: “those which I asked to you upload to server?”
He: “yes”
Then she goes out the room, cursing something I don’t try to understand so hard. Soon she backs, and starts to talk like nothing was happening. I can’t understand how is she so calm, then she say: “I’m calm because I know you will fix it”.

One

Is it getting better
Or do you feel the same?
Will it make it easier on you now
You got someone to blame?
You say
One love, one life
When it’s one need
In the night
One love
We get to share it
It leaves you, baby
If you don’t care for it

Did I disappoint you
Or leave a bad taste in your mouth?
You act like you never had love
And you want me to go without
Well, it’s too late
Tonight
To drag your past out
Into the light
We’re one
But we’re not the same
We get to carry each other
Carry each other
One

Have you come here for forgiveness?
Have you come to raise the dead?
Have you come to play Jesus
To the lepers in your head?
Did I ask too much
More than a lot?
You gave me nothing now
It’s all I got
We’re one
But we’re not the same
We will
We hurt each other
Then we do it again
You say

Love is a temple
Love, a higher law
Love is a temple
Love, the higher law
You ask me to enter
And then you make me crawl
And I can’t be holding on
To what you got
When all you got is hurt

One love
One blood
One life you got
To do what you should
One life
With each other
Sisters, brothers

One life
But we’re not the same
We get to carry each other
Carry each other
One … one
Uh, uh, uh, oh
Make, make it, make it
Ahh, ahh, oh
Ahh, ahh
And one
Ahh, ahh … oh

Que coisa, esta história ganhou até música. E na verdade, fazendo a retrospectiva, dos últimos o único que mereceu. Não é qualquer um que ganha permissão para olhar dentro da concha. E muito menos os que aguentam o tranco na hora do tsunami. E o pior, com a máxima diplomacia, que não me deixa de resto nem as desculpas para sentir raiva. No máximo a chateação de água e ar serem incompatíveis, não se misturarem. Este é o problema de saber tudo, geralmente o que está embaixo do nosso nariz a gente não sabe.
Não rola samba. Mas um rock até pode…

Thank U

How about getting off of these antibiotics
How about stopping eating when I’m full up
How about them transparent dangling carrots
How about that ever elusive kudo

Thank you India
Thank you terror
Thank you disillusionment
Thank you frailty
Thank you consequence
Thank you thank you silence

How about me not blaming you for everything
How about me enjoying the moment for once
How about how good it feels to finally forgive you
How about grieving it all one at a time

Thank you India
Thank you terror
Thank you disillusionment
Thank you frailty
Thank you consequence
Thank you thank you silence

The moment I let go of it was
The moment I got more than I could handle
The moment I jumped off of it was
The moment I touched down

How about no longer being masochistic
How about remembering your divinity
How about unabashedly bawling your eyes out
How about not equating death with stopping

Thank you India
Thank you providence
Thank you disillusionment
Thank you nothingness
Thank you clarity
Thank you thank you silence

Carnaval fora de época

Troquei o Carnaval pela semana seguinte. Preços altos, cidade lotada e engarrafada não me empolgara. Curti uma São Paulo calma, sem transito, “trabalhando”, e fui pra Floripa este fim de semana. Três dias de praia, não o dia inteiro mas a tarde inteira, e vocês podem ver o resultado nas fotos: nenhum. Estou tão branquela quanto antes. Ligeiramente mais dourada, meu branco é um branco meio dourado, fica mais acentuado. Mas só. Estranha diferença dos meus irmãos…

Foram dias sossegados. Sossegados até demais. Estava ficando extremamente irritada pela falta do que fazer, o ultimo dia foi difícil. Volto pra São Paulo com cada vez mais certeza de ser totalmente urbana, necessito de agito, barulho, entretenimento, minha casa, meu computador, trabalho. E além do que, pensei numa grande comparação com Floripa. Lá todo mundo é sossegado, tranquilo, e por consequência acomodado. Ninguém quer se incomodar. Então a falta de educação comanda, já que ninguém reclama. Por favor, com licença e obrigada são raríssimos, mesmo entre os lugares onde você gasta seu dinheiro. Aqui em São Paulo não é muito saudável você se meter a besta ou folgar com qualquer um… bom, enfim, como é bom voltar a civilização.

Voltei também ansiosa pela aula de canto. Semana passada, meu professor que estes tempos quase me fez jogar o microfone na cabeça dele de tanto que ele cobra, me disse que eu preciso amar minha voz, não ter vergonha dele. “Você tem uma voz lindíssima”. Uia, será aí meu plano de dominação mundial? Ou de deslanchar o fundo “Toska no Tahiti”????
Agora to aqui me enrolando, pensando no que fazer com os 6 pedaços sobrando da pizza de pepperoni que eu pedi e incrementei com pimentão, cebola e palmito… tá uma delicia, mas não cabe mais. Vou fazer algum exercício limpando o apto… alguem aí tem o telefone de uma boa faxineira? Eu tinha uma ótima, mas sabe como elas ficam depois de algum tempo, quase dois anos, e tive que dispensá-la antes que ela quebrasse minha casa inteira… e agora lá vou eu… le re le re le re le re le re…

Trilha sonora: While my guitar gently weeps – versão Peter Frampton