Segunda feira…

Logo cedo, o “periodico” matinal avisa que em terras brasileñas, o Ali Babá ganhou. E ao final, acrescenta que o voto dos pobres venceu os ricos e reelegeu o candidato.

Eu gostaria de saber quem são os ricos deste país. Quem paga imposto? Porque desde as primeiros lotes de restituição do IR eu reparei uma coisa. Li que as restituições seriam em 8 lotes, onde aproximadamente um milhão de restituições seriam pagas em cada. A maioria dos números de restituições pagas em cada lote é menor que isto, mas vamos fazer de conta que é. Então serão 8milhões de restituições. Ou seja, de mais de 186 milhões de brasileiros, apenas 8 milhões ganham o suficiente para pagar IR. Estes são os ricos?

Enfim, nada como um banho de água fria para estragar o fim de semana perfeito.

Quer saber, até me parece justiça poética. Alckmin representa uma classe de políticos que nunca deu atenção a educação e deixou sucatear as instituições. O resultado de tantas medidas para emburrecer a massa – se o índice de reprovação é alto, vamos acabar com a reprovação, que ter um ensino que motive as crianças a aprenderem e aos professores que se sintam motivados a prenderem a atenção delas dá muito trabalho.

Enfim, temos uma nação de analfabetos funcionais que acham que o Lula rouba mas faz. E como ele fala de maneira que eles entendem, e usa palavras que ninguém entende direito mas assustam – privatizações, neo-liberal – preferem “não arriscar”.

Isto são puramente conjecturas pessoais. Não consigo em absoluto entender como um povo prefere passar uma carta de autorização de tanta bandalheira. Talvez seja o jeitinho brasileiro, um troco errado aqui, uma dívida sem pagar, um desviozinho ali, quem nota. Afinal, todos sempre fizeram, não é? Aposto que sim. Então que diferença, novos bandidos ou antigos ladrões? A diferença para mim era não institucionalizar. Mas que remédio.

Será que adianta rezar? Não sei, tenho a impressão que até Deus cansou de ser brasileiro…

I Xornada Galego-Lusófonas de Software e Conhecimento Livre

De 30 de novembro a 3 de dezembro de 2006, acontece a I Xornada Galego-Lusófonas de Software e Conhecimento Livre, no Conselho de Porriño, Galiza, Espanha. As Jornadas são promovidas e organizadas pela AGNIX e contam com o total apoio do atual governo do conselho. A página do evento está em http://www.agnix.org/porrinho/index.html, e as inscrições já estão abertas.

Do Brasil, foram convidados diversos colaboradores de diferentes projetos. Do Linuxchix Brasil, Melissa Braum, coordenadora de informática do Ministério das Cidades, e Sulamita Garcia, responsável pelo grupo e engenheira Unix da EDS Brasil, estarão compartilhando idéias e experiências a respeito de gênero, migrações, governo e prestação de serviços. Também devem participar do evento Alessandro Faria, aka Cabelo, VivaoLinux e NetiTecnologia; Claudio F. Filho, da secretaria de Fazenda do Estado do Mato Grosso, coordenador do projeto BROffice.org; Sandro Araujo, gerente de informática da Agência Nacional de Aguas; entre outros.

O evento tem uma programação atrativa que girará em torno de seis mesas temáticas e de cunho técnico, as quais contarão com a ampla participação de personagens relevantes. Nesta ocasião, haverá participantes de Brasil, Portugal e Galiza, já que a linguagem é um dos motores das Xornadas. Intenciona-se em futuras ocasiões, contar também com a presença de representantes galegos e hispano-americanos.

As Xornadas contam com o apoio de GALPon, Mancomun.org, Direção Geral de Promoção Industrial e Sociedade da Informação e Conselho de Inovação e Industria, CESGA e Xacobe.

A programação preliminar já se encontra disponível em http://www.agnix.org/porrinho/programa.htm .
Mais detalhes estarão sendo publicados em AGNIX.org até a data do evento.

Palestra em Barcelona

Fotos! Fotos!

Sábado foi minha palestra no Hangar, que fica em uma área industrial que estão tentando recostruir. É um lugar grande onde abrigam uma série de projetos, pelo que entendi, e estes estão tentando impedir a demolição. A convite da Radio Paca, esta foi a primeira vez que palestrei para gente não técnica, e que me vi no meio de tanta gente “alternativa”, que estuda sociologia, linguas, comportamento, cyber punk… havia uma peruana, uma argentina, chilena, alemã, catalã(que me explicaram que principalmente tão perto das eleições tem sua identidade mais acentuada de catalães antes que espanhois). Sim, todas mulheres, o único homem era Hector que estava me acompanhando. E a palestra foi em portunhol, que me disseram que estava bastante fluído no começo mas ao final, um pouco cansada, estava mais difícil e predominantemente em portugues. Afinal, foram três dias difíceis, de pouco sono, pouca alimentação e lembranças do porque tirei férias da rotina insana de eventos fora do horário de trabalho.

A palestra foi um pouco diferente porque apenas algumas do público sabiam o que era software livre/open source, e as que sabiam não entendiam como isto podia ser sustentável. Então apresentei uma explicação que vinha pensando desde o fatídico dia do Programa do Jô: ao invés de apenas falar as diferenças, explicar como surgiu cada modelo. Acho que contar a história do surgimento do software proprietário, mostrando que ele não foi sempre o modelo predominante e sim que se aproveitou da queda do preço do hardware nos anos 80(creio), além de mostrar que o modelo aberto funcionava como uma rede de suporte aos poucos especialistas que sabiam programar os computadores, ajudou bastante a que elas conseguissem absorver melhor a idéia. Depois disto, a palestra é a mesma de sempre, excetuando-se que acrescentei referencias a Amaya, Chicas Linux e Mirian Ruiz. Acho que mostrar modelos próximos ajuda a mostrar que a idéia funciona e a quem recorrer depois.

Depois que terminei, fiquei muito feliz de ver que tinham muitas, muitas perguntas. Não sei exatamente quanto tempo depois estivemos debatendo, mas foi mais de meia hora. Me perguntaram sobre o que achava da política de software livre do governo brasileiro(ha ha), sobre como foi minha história pessoal com linux, sobre se o Linuxchix é um movimento feminista, e a que mais me chamou atenção, quando uma delas me perguntou “mas as mulheres trabalharam de graça todo este tempo, cuidando das casas e dos filhos sem que ninguém lhes pagasse, e agora você está dizendo que elas trabalhem de graça também?” Achei legal por vários motivos 1) se ela conseguiu traçar este paralelo, é porque apesar do portunhol, me entenderam; 2) era uma pergunta que nunca tinham me feito; 3) me lembrou a pergunta que nocauteou o pessoal na tv, e 4) consegui responder bem, pois ela se deu por satisfeita. Acho que é muito importante mostrarmos que existe sim um trabalho voluntário e desinteressado, mas que todo mundo tem consciência que se precisa pagar as contas e produzir dinheiro. Então falei da mudança na forma de negócios em tecnologia. Já ganhamos dinheiro com hardware, depois com software e agora acredito que será a época da prestação de serviços, e que o próprio interesse da Microsoft confirma isto.

Alias, da Microsoft é um caso a parte, pois me contou Lilia, uma das Pakas, que o diretor do Hangar recebeu um mail do Brasil de alguem dizendo que como é que eles poderiam me convidar para falar de software livre se eu trabalhava para a Microsoft… Lilia ficou de me enviar o mail depois, mas rimos muito. Falta do que fazer é cruel…

Como a Radio Paca toca apenas músicas de cantoras, dei a elas cds da Ana Carolina, Cassia Eller e Maria Rita, com indicações das minhas favoritas. A mãe de uma delas estava ouvindo pela rádio e me mandou os parabéns, então confirmado, me entenderam 😀 Depois fomos almoçar, e depois andar muuuuuuuuuuuuuuuuuuuuito até o metrô e depois maaaaaaaaaaaaais ainda até uma sorveteria. Barcelona é linda mas não pude ver muito a cidade, estava exausta. No outro dia uma gripe me confirmou que não havia me tratado muito bem e que precisava descansar e me alimentar melhor.

O que já começo a fazer, dormi quase o dia inteiro ontem, dormi umas 10hs esta noite, e minha garganta começa a melhorar. Nos próximos dias devo visitar novamente Warp, mas desta vez como reporter para saber se se pode viver fazendo software livre.

Palestra na Espanha via rádio na internet

Estou embarcando hoje para a Espanha, e sábado, dia 21/10, devo fazer uma palestra no Hangar, convidada pela Radio Paca para falar do Linuxchix. Algumas das meninas devem se lembrar daquela jornalista da Espanha, Lilia, que na verdade é peruana, que fez uma entrevista coletiva ano passado no canal. A palestra é a “Software Livre é coisa pra Macho? As mulheres e o software livre”. Com a adição de alguns exemplos de mulheres espanholas ativas na comunidade, como Amaya, co-fundadora do Debian Women, e Mirian Ruiz.

A palestra vai ser as 10:30AM hora local – 5:30AM da manhã aqui. Não creio que vai ser um record de audiência por aqui, mas quem estiver madrugando…

Elas estão preparando uma apresentação de um documentario feito sobre nerds, eu tenho o dvd mas meu leitor do computador pifou e não consegui copiar. E algumas coisas extras.

Bom, é isto. Hasta ahora!

Definição de Nossa Senhora Aparecida

Discussão no trabalho se Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, é ou não Maria mãe de Jesus. E tentando explicar que todas Nossas Senhoras são “manifestações de Maria”. Olha que eu nem sou católica já sabia. Então Caio saiu-se com a definição:

“São vários frontends, mas o kernel é o mesmo”.

Eu já sei o que eu vou ser quando crescer

“Nos defendemos tanto tanto sem saber porque lutar”Renato Russo

“Tem gente que está do mesmo lado que você mas deveria estar do lado de lá”

“E todos vão fingindo viver decentemente, Só que eu não pretendo ser tão decadente não”

“Vem falar de liberdade pra depois me prender”

“Bondade sua me explicar com tanta determinação exatamente o que eu penso como sinto e como sou, eu realmente não sabia que eu pensava assim”

“Um dia pretendo tentar descobrir porque é mais forte quem sabe mentir”

“E há tempos são os jovens que adoecem, e há tempos o encanto está ausente e há ferrugem nos sorrisos”

“Nada mais vai me ferir é que eu já me acostumei com a estrada errada que eu segui com a minha propria lei”

“Será, que é tudo isso em vão, será que vamos conseguir vencer?”

“Vamos celebrar a estupidez do povo, nossa polícia e televisão, vamos celebrar nosso governo, e nosso estado que não é nação”

“Com tanta riqueza por aí onde é que está, cadê sua fração”

“E aí então vocês vão ver suas crianças derrubando reis, fazer comédia no cinema com as suas leis”

“Não estatize meus sentimentos, pra seu governo o meu estado é independente”

“Nosso suor sagrado é bem mais sério que este sangue amargo”

“Quando o que eu mais queria era provar pra todo mundo que eu não precisava provar nada pra ninguém”

“Sexo compra dinheiro e compania, mas nunca amor e amizade, eu acho”

“Você me diz que seus pais não entendem, mas você não entende seus pais”

“Tenho os sentidos já dormentes, o corpo quer a alma entende”

“Contra minha própria vontade, sou teimoso e sincero, insisto em ter vontade própria”

“Não basta o compromisso, vale mais o coração”

“É tão estranho… os bons morrem jovens”

“Eu sou o Renato Russo
Eu escrevo as letras, eu canto
Nasci no dia 27 de março, eu tenho 23 anos
E sou Áries e ascendente em Peixes
Eu trabalhava com Jornalismo, rádio, era professor de Inglês também
E … comecei a trabalhar com 17 anos e tudo
Mas só que de repente tocar Rock era uma coisa que eu gostava mais de fazer
E como deu certo eu continuo fazendo isso até hoje”

Floripa é a ilha de Lost

Vamos rir um pouco pra esquecer o sono perdido e a raiva passada:

12:43 PM fabio.fzero: A definição de um amigo meu pro Lost:
“Eu acho que ajuda a confirmar minha teoria.

Os caras estão numa ilha pra onde mais cedo ou mais tarde todo mundo
vai. Aí descobrem que todos se conhecem de algum lugar e todo mundo
quer ir embora, mas não consegue. Não tem nada pra fazer, não pode
sair à noite e, apesar da ilha ser pequena, é um perrengue fudido pra
chegar de um lado a outro. Todos têm medo “dos outros”, mas na real
são eles que fazem merda entre si e acabam se matando. E tem um
careca que quer mandar em geral.

Óbvio que é Floripa.”
12:58 PM me: ahahahahhahaha

É hoje a participação de Sérgio Amadeu e Julio Neves no programa do Jô

Não durma cedo nesta quinta!

“A produção do Programa do Jô informou que a entrevista anunciada no início desta semana vai ao ar hoje, dia 05/10. Fotos da entrevista serão enviadas para a redação da Linux Magazine hoje durante o dia e vamos publicá-las aqui nessa página.

Mais detalhes sobre a entrevista podem ser lidos neste artigo na página da Linux Magazine.”

Enviado por Rafael Peregrino da Silva (rperegrinoΘlinuxnewmedia·com·br) – referência.

O entrevistado complementa: Júlio Neves mandou um breve relato, que reproduzo abaixo.

“Amigos, consegui, com ajuda de um colega de faculdade que é executivo da TV Globo, uma entrevista com Jô Soares, para falarmos de SL. Em anexo, o e-mail que enviei-lhe agradecendo e contando como foi o desenrolar da entrevista.

Acrescentem a isso, que levantamos junto a comunidade um monte de Live CDs e a LMBr nos deu pencas de Linux Magazines porém não pudemos distribui-los na platéia. O meu livro que levei com dedicatória ao Jô e um Tux de pelúcia que o Sérgio levou para dar de presente, também não apareceram durante a entrevista. Creio que ainda teremos de lutar muito para alcançar nossos ideais.

A produção do programa, ficou de nos enviar o CD da gravação. Caso isso aconteça, mandarei uma cópia para o Paulino Michelazzo e outra para o Augusto Campos. ”

Assim, caso a produção cumpra sua parte do acordo, provavelmente em breve poderei disponibilizar a vocês um vídeo “oficial” da entrevista. Obrigado, Julio!

Fonte: BR-Linux

Que falta de tempo…

Dizem que todos os dias você deve comer uma maçã por causa do ferro. E uma banana pelo potássio. E também uma laranja pela vitamina C. Uma xícara de chá verde sem açúcar para prevenir a diabetes.

Todos os dias deve-se tomar ao menos dois litros de água. E uriná-los, o que consome o dobro do tempo.

Todos os dias deve-se tomar um Yakult pelos lactobacilos, que ninguém sabe bem o que é, mas que aos bilhões, ajudam a digestão.

Cada dia uma Aspirina, previne infarto. Uma taça de vinho tinto também. Uma de vinho branco estabiliza o sistema nervoso. Um copo de cerveja para não lembro bem o quê, mas faz bem.
O benefício adicional é que se você tomar tudo isso ao mesmo tempo e tiver um derrame, nem vai perceber.

Todos os dias deve-se comer fibra. Muita, muitíssima fibra. Fibra suficiente para fazer um pulôver.

Você deve fazer entre quatro e seis refeições leves diariamente. E nunca se esqueça de mastigar pelo menos cem vezes cada garfada. Só para comer, serão cerca de cinco horas do dia.

E não esqueça de escovar os dentes depois de comer. Ou seja, você tem que escovar os dentes depois da maçã, da banana, da laranja, das seis refeições e enquanto tiver dentes, passar fio dental, massagear a gengiva, escovar a língua e bochechar com Plax. Melhor, inclusive, ampliar o banheiro e aproveitar para colocar um equipamento de som, porque entre a água, a fibra e os dentes, você vai passar ali várias horas por dia.

Há que se dormir oito horas por noite e trabalhar outras oito por dia, mais as cinco comendo são vinte e uma. Sobram três, desde que você não pegue trânsito.

As estatísticas comprovam que assistimos três horas de TV por dia. Menos você, porque todos os dias você vai caminhar ao menos meia hora (por experiência própria, após quinze minutos dê meia volta e comece a voltar, ou a meia hora vira uma).

E você deve cuidar das amizades, porque são como uma planta: devem ser regadas diariamente, o que me faz pensar em quem vai cuidar delas quando eu estiver viajando. Deve-se estar bem informado também, lendo dois ou três jornais por dia para comparar as informações.

Ah! E o sexo. Todos os dias, tomando o cuidado de não se cair na rotina. Há que ser criativo, inovador para renovar a sedução. Isso leva tempo e nem estou falando de sexo tântrico.
Também precisa sobrar tempo para varrer, passar, lavar roupa, pratos e espero que você não tenha um bichinho de estimação.

Na minha conta são 29 horas por dia.

A única solução que me ocorre é fazer várias dessas coisas ao mesmo tempo!!!

Tomar banho frio com a boca aberta, assim você toma água e escova os dentes enquanto faz sexo. Sobrou uma mão livre? Chame os amigos e seus pais. Beba o vinho, coma a maçã e dê a banana na boca da parceira ou parceiro. Ainda bem que somos crescidinhos, senão ainda teria um Danoninho e, se sobrarem 5 minutos, uma colherada de leite de magnésia.

Agora tenho que ir. É o meio do dia, e depois da cerveja, do vinho e da maçã, tenho que ir ao banheiro. E já que vou, levo a escova de dentes.

Pois é, amigos, não tem dado tempo mesmo pra escrever pra vocês, mas eu tenho certeza que todos entendem muito bem a razão dessa falha…

Autoria desconhecida, recebi de um outro amigo…