New Year’s resolutions

Ok, so I have a small list of what I will do next year. Small, but which will keep me very busy. I have this list in my head of what I want to do, but in long life terms. I want to learn to play guitar, drums, I want to learn French and German(I just can’t decide what to do first). I want to take flamenco dancing classes too. But as I can’t do all this together, I pick one or two of those every year. This year is going to be Kung Fu – a martial art, which supposable helps a lot to loose weight, which I need (again) – and make arrangements to take a Master degree. Oh, and go to the CCC – Chaos Communication Congress(right Amaya?).

But first thing will be a huge one – talk at the first Linuxchix Miniconf at Linux Conference Australia. I believe this is the first Linuxchix International Conference ever, a whole day listening, talking and sharing experiences with some wonderful women I admire so much – Val Henson, Akkana Peck, Pia Waugh. Mary Gardiner is the organizer of this, and it will include technical and non technical talks – I will give my “Is Free Software a Macho thing? Women and FOSS” talk, followed by Jacinta Richardson with “Social networking for fun and profit” and Val Henson with “Closing the Gender Pay Gap One Salary at a Time”, and others. Tip – I just read the Howto Negociate Salary and benefits, author Val Henson, which is very very great. If you are planning to find a new job, ask for a raise or just think you deserve one, you should read this.

This time, I will take enough time to rest and be ready for the talks. I felt in debt with FOSS.IN this year. Although some friends said I did a nice talk, I feel I could have done it much better. And was not just about being tired of traveling and jet lagged, I don’t know why but I felt a lot more intimidated this year than last year. And I hate the feeling “I could have done it much better”.

The organization of LCA 2007 are celebrating the higher number of women registered for the conference ever – more than 10% of attendees. Our last Linuxchix Brazilian Meeting had 37% of female attendees, I think that was huge. And the LCA makes another point in my believes, that the percentage of women attending to a conference matchs the percentage of female speakers. LinuxChix is the “mother” group for a lot other groups, almost eight years old now, and it is great to see the changes. An Australian media talked about “Women Flock to Linux Talkfest“.

Australia also was scene for a great lesson about encouraging women in FOSS. In the OSDC about a month ago, Adam K, was giving a lightening talk about Perl, and about how not to write bad code. To do this, he used an module called ACME::Playmate, and had the idea that showing a picture of a topless women. I think very unnecessary explain how bad this was for the women attending to the conference, and how unprofessional it was. If someone thinks this is not a big deal, nothing that I could say would help. We have been talking about that a lot in Linuxchix mailing list, and we were glad to receive an apology from Adam K in his blog. There is really few people who recognize mistakes and even less than do it public, so my Kudos to Adam.

This is great, really. Nowadays, I think the FOSS community is aware of how huge is the gap of women in FOSS(just 2%), specially if we compare with IT in general. Mostly of the sexism behavior I believe are from few people wanting attention or just general dorks, not a major issue. But this kiddies and jerks are very loud and have a lot of free time, so they appear to be a lot more than they actually are. And demonstrations like from Adam just tell them there is people wanting to support women, and who really care about this. Another example that I need to address is Atul Chitnis, FOSS.IN premier. Last year, the first time I went to the #foss.in irc channel, a guy started some jokes about women. Atul heard about it, and sent apologies to me, to the FOSS.IN mailing list, saying that this was not an accepted behavior. (Knowing Atul a little bit, I would guess that guy heard some serious words personally too). He talked about that in Wizards of OS, and I would like to thank him for that. It made me feel very welcome to FOSS.IN and very proud to be part of it.

So, from January 15th to 20th, I will be in Australia. I’m very happy to meet so many interesting people, and some legend – like Andrew Tanenbaum, can you believe it? And my first new year’s resolution: I will rock this year!

pt_BR – Resoluções de Ano Novo

Eu tenho uma pequena lista de coisas a fazer no proximo ano. Pequena, mas que vai me manter bem ocupada. Eu tenho uma lista na cabeça de coisa para fazer, mas são coisas que eu ainda quero fazer na vida. Eu quero aprender a tocar violão, guitarra e bateria. Eu quero aprender francês e alemão(eu só não consigo decidir o que fazer primeiro). Eu quero fazer dança flamenca tambem, isto foi do tempo que eu fazia dança do ventre e uma amiga fazia dança flamenca, sempre falei que um dia íamos trocar. Mas como eu não posso fazer tudo ao mesmo tempo, eu escolho um ou dois por ano. Este ano eu vou fazer Kung Fu – o proximo item da lista era fazer uma arte marcial, e esta dizem que ajuda muito a emagrecer e controlar o peso, o que eu ando precisando(novamente). Também vai ser o ano que vou me preparar para o Mestrado. Ah, e definitivamente ir ao CCC – Chaos Comunication Congress, o congresso anual do Chaos Computer Club(né Amaya?).

Mas o primeiro passo é um bastante importante – palestrar na primeira Miniconferencia Linuxchix Internacional na Conferencia Linux da Austrália. Eu acredito que esta é a primeira conferencia Linuxchix Internacional, um dia inteiro de palestras, conversas e experiências com mulheres fantásticas que eu admiro tanto – Val Henson, Akkana Peck, Pia Waugh. Mary Gardiner é a organizadora deste evento, e a programação inclui palestras técnicas e não técnicas – eu vou fazer a palestra “Software Livre é coisa para macho? As mulheres e o FOSS”(FOSS – Free and Open Source Software – Software livre e de código aberto). Também estão na programação Jacinta Richardson falando sobre “Redes sociais para diversão e lucro”, e Val Henson falando sobre “Diminuindo a diferença salarial entre gêneros”. Dica – eu acabo de ler o Como negociar salário e benefícios, de autoria da Val, muito bom. Se você está planejando buscar um novo emprego, pedir aumento ou apenas acha que merece um aumento, você deveria ler isto.

Desta vez, vou ter tempo de descansar depois da viagem e me preparar para as palestras. Eu me senti mal este ano no FOSS.IN, em dívida. Embora alguns amigos tenham dito que minha palestra foi boa, legal, la la la, eu acho que poderia ter sido muito melhor. E não era apenas cansaço da viagem e diferença de fuso horário, eu não sei exatamente porque mas me senti muito mais intimidada este ano que no primeiro. E eu odeio esta sensação de “eu poderia ter feito muito melhor”.

A organização do LCA 2007 está comemorando a maior marca de mulheres se inscrevendo para a conferência – até agora, mais de 10%. Nosso último encontro nacional Linuxchix teve 37% de participação feminina, um tremendo record. E esta conferência me convence mais uma vez que o percentual de mulheres em uma conferência é diretamente proporcional ao percentual de mulheres palestrando. O Linuxchix é o grupo “mãe” de tantos outros grupos, tem quase oito anos agora. E em um jornal da Austrália, saiu a notícia de que as “Mulheres estão afluindo a conferencia Linux“.

Australia também foi o cenário de uma grande lição sobre encorajar mulheres em FOSS. Na OSDC, quase um mes atrás, Adam K estava fazendo uma apresentação sobre Perl, e sobre como não cair nos erros comuns e escrever código ruim. Para fazer isto, ele usou um módulo chamado ACME::Playmate (ACME é um repositório de modulos engraçadinhos ou piadas), e achou que mostrar uma foto de uma mulher de topless era uma boa idéia. Eu acho desnecessário explicar porque isto foi extremamente desagradável para as mulheres assistindo a palestra e a conferência, e quão pouco profissional isto é. Se alguem não entende, nada do que eu explicasse aqui iria ajudar a entender. Nós estivemos debatendo isto na lista internacional do Linuxchix, e ficamos todas muito felizes de ver as desculpas públicas escritas pelo próprio Adam. Muito poucas pessoas admitem um erro, e menos ainda o fazem publicamente, então meus parabéns e reconhecimentos ao gesto de Adam.

Isto é realmente sensacional. Hoje em dia, eu acho que a comunidade já tem a percepção de quão grande é a falta de mulheres envolvidas(apenas 2%), especialmente se compararmos este número com os números gerais da industria de TI. A maior parte dos incidentes machistas que acontecem, eu acredito que são obra de uma minoria querendo chamar atenção, ou mesmo muito idiotas. O problema é que em geral estes kiddies ou idiotas são bastante vocais e tem muito tempo livre, o que faz parecer que eles são muitos mais do que são na verdade. E demonstrações como esta do Adam dizem exatamente a estas pessoas que existem sim mais pessoas interessadas em encorajar mulheres, e que realmente se importam com o tema. Como eu disse algumas vezes, quando um homem fala a este respeito, os homens tendem a prestar mais atenção porque não é “apenas mais uma mulher reclamando”. Outro grande exemplo disto foi Atul Chitnis, o organizador geral do FOSS.IN. Ano passado, a primeira vez que eu entrei no canal do #foss.in, um cara começou com algumas piadinhas e gracinhas a respeito de mulheres. Atul ficou sabendo disto, me enviou uma mensagem pedindo desculpas em nome do evento, e enviou tambem uma mensagem a lista do evento dizendo que este comportamento não seria aceito. (Conhecendo um pouco Atul, eu acho que este indivíduo deve ter levado uma boa bronca pessoalmente também). Ele falou sobre este episódio também na conferencia Wizards of OS, e eu gostaria de agradecê-lo novamente por isto. Aquele gesto me fez sentir muito bem vinda ao FOSS.IN e orgulhosa de fazer parte do evento.

Pois bem, de 15 a 20 de Janeiro, estarei na Austrália. Eu estou pulando de alegria de encontrar tanta gente legal e interessante, e de quebra algumas lendas – como Andrew Tanenbaum, acredita? Então minha primeira resolução de ano novo: eu vou botar pra quebrar!

New Year’s resolutions

Ok, so I have a small list of what I will do next year. Small, but which will keep me very busy. I have this list in my head of what I want to do, but in long life terms. I want to learn to play guitar, drums, I want to learn French and German(I just can’t decide what to do first). I want to take flamenco dancing classes too. But as I can’t do all this together, I pick one or two of those every year. This year is going to be Kung Fu – a martial art, which supposable helps a lot to loose weight, which I need (again) – and make arrangements to take a Master degree. Oh, and go to the CCC – Chaos Communication Congress(right Amaya?).

But first thing will be a huge one – talk at the first Linuxchix Miniconf at Linux Conference Australia. I believe this is the first Linuxchix International Conference ever, a whole day listening, talking and sharing experiences with some wonderful women I admire so much – Val Henson, Akkana Peck, Pia Waugh. Mary Gardiner is the organizer of this, and it will include technical and non technical talks – I will give my “Is Free Software a Macho thing? Women and FOSS” talk, followed by Jacinta Richardson with “Social networking for fun and profit” and Val Henson with “Closing the Gender Pay Gap One Salary at a Time”, and others. Tip – I just read the Howto Negociate Salary and benefits, author Val Henson, which is very very great. If you are planning to find a new job, ask for a raise or just think you deserve one, you should read this.

This time, I will take enough time to rest and be ready for the talks. I felt in debt with FOSS.IN this year. Although some friends said I did a nice talk, I feel I could have done it much better. And was not just about being tired of traveling and jet lagged, I don’t know why but I felt a lot more intimidated this year than last year. And I hate the feeling “I could have done it much better”.

The organization of LCA 2007 are celebrating the higher number of women registered for the conference ever – more than 10% of attendees. Our last Linuxchix Brazilian Meeting had 37% of female attendees, I think that was huge. And the LCA makes another point in my believes, that the percentage of women attending to a conference matchs the percentage of female speakers. LinuxChix is the “mother” group for a lot other groups, almost eight years old now, and it is great to see the changes. An Australian media talked about “Women Flock to Linux Talkfest“.

Australia also was scene for a great lesson about encouraging women in FOSS. In the OSDC about a month ago, Adam K, was giving a lightening talk about Perl, and about how not to write bad code. To do this, he used an module called ACME::Playmate, and had the idea that showing a picture of a topless women. I think very unnecessary explain how bad this was for the women attending to the conference, and how unprofessional it was. If someone thinks this is not a big deal, nothing that I could say would help. We have been talking about that a lot in Linuxchix mailing list, and we were glad to receive an apology from Adam K in his blog. There is really few people who recognize mistakes and even less than do it public, so my Kudos to Adam.

This is great, really. Nowadays, I think the FOSS community is aware of how huge is the gap of women in FOSS(just 2%), specially if we compare with IT in general. Mostly of the sexism behavior I believe are from few people wanting attention or just general dorks, not a major issue. But this kiddies and jerks are very loud and have a lot of free time, so they appear to be a lot more than they actually are. And demonstrations like from Adam just tell them there is people wanting to support women, and who really care about this. Another example that I need to address is Atul Chitnis, FOSS.IN premier. Last year, the first time I went to the #foss.in irc channel, a guy started some jokes about women. Atul heard about it, and sent apologies to me, to the FOSS.IN mailing list, saying that this was not an accepted behavior. (Knowing Atul a little bit, I would guess that guy heard some serious words personally too). He talked about that in Wizards of OS, and I would like to thank him for that. It made me feel very welcome to FOSS.IN and very proud to be part of it.

So, from January 15th to 20th, I will be in Australia. I’m very happy to meet so many interesting people, and some legend – like Andrew Tanenbaum, can you believe it? And my first new year’s resolution: I will rock this year!

pt_BR – Resoluções de Ano Novo

Eu tenho uma pequena lista de coisas a fazer no proximo ano. Pequena, mas que vai me manter bem ocupada. Eu tenho uma lista na cabeça de coisa para fazer, mas são coisas que eu ainda quero fazer na vida. Eu quero aprender a tocar violão, guitarra e bateria. Eu quero aprender francês e alemão(eu só não consigo decidir o que fazer primeiro). Eu quero fazer dança flamenca tambem, isto foi do tempo que eu fazia dança do ventre e uma amiga fazia dança flamenca, sempre falei que um dia íamos trocar. Mas como eu não posso fazer tudo ao mesmo tempo, eu escolho um ou dois por ano. Este ano eu vou fazer Kung Fu – o proximo item da lista era fazer uma arte marcial, e esta dizem que ajuda muito a emagrecer e controlar o peso, o que eu ando precisando(novamente). Também vai ser o ano que vou me preparar para o Mestrado. Ah, e definitivamente ir ao CCC – Chaos Comunication Congress, o congresso anual do Chaos Computer Club(né Amaya?).

Mas o primeiro passo é um bastante importante – palestrar na primeira Miniconferencia Linuxchix Internacional na Conferencia Linux da Austrália. Eu acredito que esta é a primeira conferencia Linuxchix Internacional, um dia inteiro de palestras, conversas e experiências com mulheres fantásticas que eu admiro tanto – Val Henson, Akkana Peck, Pia Waugh. Mary Gardiner é a organizadora deste evento, e a programação inclui palestras técnicas e não técnicas – eu vou fazer a palestra “Software Livre é coisa para macho? As mulheres e o FOSS”(FOSS – Free and Open Source Software – Software livre e de código aberto). Também estão na programação Jacinta Richardson falando sobre “Redes sociais para diversão e lucro”, e Val Henson falando sobre “Diminuindo a diferença salarial entre gêneros”. Dica – eu acabo de ler o Como negociar salário e benefícios, de autoria da Val, muito bom. Se você está planejando buscar um novo emprego, pedir aumento ou apenas acha que merece um aumento, você deveria ler isto.

Desta vez, vou ter tempo de descansar depois da viagem e me preparar para as palestras. Eu me senti mal este ano no FOSS.IN, em dívida. Embora alguns amigos tenham dito que minha palestra foi boa, legal, la la la, eu acho que poderia ter sido muito melhor. E não era apenas cansaço da viagem e diferença de fuso horário, eu não sei exatamente porque mas me senti muito mais intimidada este ano que no primeiro. E eu odeio esta sensação de “eu poderia ter feito muito melhor”.

A organização do LCA 2007 está comemorando a maior marca de mulheres se inscrevendo para a conferência – até agora, mais de 10%. Nosso último encontro nacional Linuxchix teve 37% de participação feminina, um tremendo record. E esta conferência me convence mais uma vez que o percentual de mulheres em uma conferência é diretamente proporcional ao percentual de mulheres palestrando. O Linuxchix é o grupo “mãe” de tantos outros grupos, tem quase oito anos agora. E em um jornal da Austrália, saiu a notícia de que as “Mulheres estão afluindo a conferencia Linux“.

Australia também foi o cenário de uma grande lição sobre encorajar mulheres em FOSS. Na OSDC, quase um mes atrás, Adam K estava fazendo uma apresentação sobre Perl, e sobre como não cair nos erros comuns e escrever código ruim. Para fazer isto, ele usou um módulo chamado ACME::Playmate (ACME é um repositório de modulos engraçadinhos ou piadas), e achou que mostrar uma foto de uma mulher de topless era uma boa idéia. Eu acho desnecessário explicar porque isto foi extremamente desagradável para as mulheres assistindo a palestra e a conferência, e quão pouco profissional isto é. Se alguem não entende, nada do que eu explicasse aqui iria ajudar a entender. Nós estivemos debatendo isto na lista internacional do Linuxchix, e ficamos todas muito felizes de ver as desculpas públicas escritas pelo próprio Adam. Muito poucas pessoas admitem um erro, e menos ainda o fazem publicamente, então meus parabéns e reconhecimentos ao gesto de Adam.

Isto é realmente sensacional. Hoje em dia, eu acho que a comunidade já tem a percepção de quão grande é a falta de mulheres envolvidas(apenas 2%), especialmente se compararmos este número com os números gerais da industria de TI. A maior parte dos incidentes machistas que acontecem, eu acredito que são obra de uma minoria querendo chamar atenção, ou mesmo muito idiotas. O problema é que em geral estes kiddies ou idiotas são bastante vocais e tem muito tempo livre, o que faz parecer que eles são muitos mais do que são na verdade. E demonstrações como esta do Adam dizem exatamente a estas pessoas que existem sim mais pessoas interessadas em encorajar mulheres, e que realmente se importam com o tema. Como eu disse algumas vezes, quando um homem fala a este respeito, os homens tendem a prestar mais atenção porque não é “apenas mais uma mulher reclamando”. Outro grande exemplo disto foi Atul Chitnis, o organizador geral do FOSS.IN. Ano passado, a primeira vez que eu entrei no canal do #foss.in, um cara começou com algumas piadinhas e gracinhas a respeito de mulheres. Atul ficou sabendo disto, me enviou uma mensagem pedindo desculpas em nome do evento, e enviou tambem uma mensagem a lista do evento dizendo que este comportamento não seria aceito. (Conhecendo um pouco Atul, eu acho que este indivíduo deve ter levado uma boa bronca pessoalmente também). Ele falou sobre este episódio também na conferencia Wizards of OS, e eu gostaria de agradecê-lo novamente por isto. Aquele gesto me fez sentir muito bem vinda ao FOSS.IN e orgulhosa de fazer parte do evento.

Pois bem, de 15 a 20 de Janeiro, estarei na Austrália. Eu estou pulando de alegria de encontrar tanta gente legal e interessante, e de quebra algumas lendas – como Andrew Tanenbaum, acredita? Então minha primeira resolução de ano novo: eu vou botar pra quebrar!

Mensagem de fim de ano

Fim de ano chegando. Época de confraternização, festas de empresa e mensagens lacrimosas de amigos, conhecidos e gente que você nem conhece, mas está na lista de endereços por algum motivo. Época de filas nos correios, muita mala direta disfarçada de cartão, anunciando o Natal em 6x sem juros. Taxistas andam o dia todo em bandeira 2, dezenas de telefonemas pedindo presentes e doações. Caixinhas pra todo lado, no restaurante, na farmácia, para o motorista do fretado, na portaria. Época de piadas infames – é pavê ou pra comê -, pegações no pé – e aí, já casou/teve filho/casa quando/quando vai blablabla – e pagações de mico em geral. Sempre tem alguem que se passa na cerveja ou na caipirinha e acha que tá arrasando na imitação da Gretchen ou do bonde do Tigrão.

Enfim, é uma época que demanda uma paciência enorme. Mas sabe porque todo mundo fica louco nesta época? Porque o ano está chegando no fim. Porque a maioria das pessoas vê agora chegar o fim do ano que nasceu com tantas promessas. Aliás, mais um ano. Que não se mudou, não mudou de carro nem de emprego, não ficou rico nem bonito nem famoso. Que não aprendeu a saltar de paraquedas nem se matriculou na dança de salão. Mais um ano que os domingos foram no sofá, que as sextas foram novamente no mesmo bar reclamando a mesmíssima ladainha do ano anterior – chefe, mulher/marido, vizinho, pai/mãe. Os mesmo lugares, as mesmas caras, as mesmas situações. O pior foram as oportunidades desperdiçadas por preguiça, falta de coragem, acomodação, medo.

E eu há tempos alheia de tudo isto. Eu finalmente entendo o frenesi de fim de ano, e entendo também porque não me afeta. Eu detesto rotina. Eu enumerei as coisas que queria fazer e fui fazendo. Eu mudei de emprego, mudei de sistema, de estilo. Já fiz dança do ventre e aula de canto, agora não sei se volto para dança ou vou fazer uma arte marcial. Mas eu fiz aula de canto. Eu aprendi python, eu fiz mais um evento. Eu fui à India novamente, eu quando fui lá da primeira vez atravessei o país para ir no Taj Mahal – já atravessei o mundo, porque não o país? Eu provei dezenas de restaurantes novos, eu montei uma banda. Eu disse te amo despudoradamente, quando me dava vontade. E mandei à merda quando achei que devia(mas aprendi a pensar um pouco depois que o sangue ferve e esfria). Eu liguei pra amigos e deixei irem não tão amigos, porque amigo de verdade não te amarra se não quer ir junto. Parei de fazer o que não me dava mais tesão e fui cuidar de mim. Eu descartei o que me fazia mal, eu parei de fumar e de andar com gente que não tem caráter e se vende por qualquer trocado, ou por promessas de fama e glória. Eu briguei, xinguei, chorei, ri muito e conheci muito mais. Eu também acendi um incenso, deitei no chão e fiquei olhando o teto quando precisava organizar os pensamentos. Eu pedi tudo que quis, eu sempre esperei mais, fui atrás do excesso. Eu rejeitei esperar o pior para me preparar, eu quero o melhor. Mas também não fiquei só sonhando, eu acordei cedo, fui correr, fui ler, estudar, praticar. A vida é hoje, não segunda feira nem quando eu tiver 10 kilos a menos. Ouvi e enfrentei meus erros e me esforço pra mudar. A vida simplesmente é curta demais para fazer sempre as mesmas merdas, vamos fazer outras!

Então o que eu desejo é isto: faça merdas diferentes. Liberte-se finalmente daquele relacionamento morno apenas porque é comodo. Levante a bunda da TV e vá aprender aquele instrumento que vc passa a vida dizendo que um dia vai aprender. Mude o restaurante, mude o cabelo, mude o caminho. Mude! Desobedeça! Não acredite no que falaram, você pode!

Eu desejo que você dê o passo maior que a perna, que fale de boca cheia, que dê risada até doer. Que você se apaixone e se desapaixone quantas vezes forem necessárias, e que não se conforme com menos. Que você pare de se preocupar com o que os outros vão falar, que o celular do vizinho é mais novo que o seu: cuide da sua vida, não da dele! Que você ganhe bem, que você ganhe mais, que você peça aumento e prove que você merece, que se desenvolva e não apenas se sinta feliz por ter um emprego. Alias, eu espero que você nunca mais precise trabalhar: encontre a profissão que você ama e seja pago para se divertir! E que o que você queira fazer da vida seja crescer, evoluir, melhorar, tentar diferente. Pois se você quer apenas ficar aí parado, fui…

Eu sou palhaço e não desisto nunca!

Esta foto pelo jeito vai me servir pra muita coisa neste país…
Sou palhaça e não desisto nunca!

Copiado do blog do Stulzer:

“Não tem tempo para tirar uma foto da sua cara de palhaço? Não tem mesmo? Bem, se não tiver pelo menos divulgue um link para a Câmara dos Pilantras. Com algumas dezenas de pessoas divulgando este link com este título (Câmara dos Pilantras), podemos fazê-lo aparecer em primeiro lugar no ranking do Google, apontando diretamente para o site da Câmara dos Deputados e isso também pode chamar a atenção da imprensa, mostrando a organização e os protestos pela Internet.
Vamos lá pessoal, faça a sua parte com as ferramentas que estão disponíveis para você. Se protestar na rua não é o seu estilo, protestar na Internet pode ser!”

Faça você também o seu link para a Câmara dos Pilantras!

Tears Of The Dragon

For too long now, there were secrets in my mind
For too long now, there were things I should have said
In the darkness, I was stumbling for the door
To find a reason, to find the time, the place, the hour

Waiting for the winter sun and the cold light of day
The misty ghost of childhood fears
The pressure is building and I can’t stay away.

I throw myself into the sea
Release the wave
Let it wash over me
To face the fear I once believed
The tears of the dragon for you and for me

Where I was, I had wings that couldn’t fly
Where I was, I had tears I couldn’t cry
My emotions, frozen in an icy lake
I couldn’t feel them until the ice began to break
I have no power over this, you know I’m afraid
The walls I built are crumbling, the water is moving,
I’m slipping away.

I throw myself into the sea
Release the wave, let it wash over me
To face the fear I once believed
The tears of the dragon for you and for me

Slowly I awake, slowly I rise
The walls I built are crumbling,
The water is moving,
I’m slipping away.

I throw myself into the sea
Release the wave, let it wash over me
To face the fear I once believed
The tears of the dragon for you and for me

I throw myself into the sea
release the wave, let it wash over me
To face the fear I once believed
The tears of the dragon for you and for me

100 anos de Grace Hopper

Conforme noticiado pelo Slashdot e BR-Linux.org, dia 10 de dezembro é aniversário do nascimento da Almirante Grace Hopper, que em 2006 faria 100 anos.

Grace Brewster Murray nasceu em Nova York, e chegou ao PhD em Matemática em 1934, com a tese “Novos critérios de irredutibilidade”(relacionado a polinômios). Seus feitos mais memoráveis são a criação do primeiro compilador, e o Cobol, que segundo o Wikipedia foi inspirado no FLOW-MATIC(de autoria dela), a primeira linguagem de programação a se aproximar da linguagem humana ao invés da linguagem de máquina.

Porém, em uma visita ao Brasil, tivemos a honra de conhecer algumas outras histórias curiosas a respeito dela de alguem que a conheceu pessoalmente e esteve em uma de suas palestras, Jon Hall Maddog. A primeira é que ela dizia que era melhor pedir desculpas que pedir permissão. Quando você queria fazer alguma coisa, se você dissesse ao seu chefe “posso fazer tal coisa, será bom por isto isto e isto”, geralmente ele vai pedir que vc preencha um relatorio, escreva porque seria bom, qual a previsão, o cronograma, as consequencias… O invés disso, você vai lá e faz. E quando vierem dizer “mas você fez isto!” você diz “desculpe, fiz, mas olha como ficou legal!”. Deve ter funcionado com ela, pois ela tentou se aposentar pelo menos 5 vezes(ela se aposentava e eles a chamavam novamente para o trabalho).

Outra foi sobre os nano e pico segundos. Ela é do tempo daqueles computadores enormes, que processavam informações em segundos ou centésimos de segundos. Ela certa vez conversando com um cadete estava falando: “sabe, eu posso entender o que é um centesímo de segundo, até mesmo um milésimo de segundo, mas não consigo entender um nanosegundo. Faz o seguinte, me arrume um nanosegundo”. Ele perguntou “como, oficial?” e ela repetiu “me arrume um nanosegundo”. Ele acatou, e frequentemente quando ela o encontrava, ela cobrava novamente “e o meu nanosegundo? Eu não vou esquecê-lo, me consiga um nanosegundo”. Meses depois, este cadete vem até ela e entrega uma folha de papel. Ela pergunta “o que é isto?” ele diz “isto é o seu nanosegundo. Esta é a distância que a luz percorre em um nanosegundo”. Ela ficou encantada, e como sempre fazia palestras sobre computação, passou a distribuir nanosegundos nas palestras: folhas de papel de 29.9792458 cm(segundo o wikipedia a medida que a luz percorre em um nanosegundo é esta). Alguns anos depois, ela encontrou este mesmo
cadete, mas agora ele já era capitão. Ela disse “sabe, você fez um trabalho tão bom aquela vez com o nanosegundo, será que você conseguiria para mim um picosegundo?” Desta vez ele levou menos de um dia, aparecendo no outro dia com uma semente de pimenta preta, e a depositou sobre a mesa. Ele diste “este é o seu picosegundo. Em um picosegundo, a luz vai de um lado a outro desta semente.” A partir de então, ela passou a distribuir picosegundos nas suas palestras, e segundo Maddog, ele ainda tem o dele guardado.

Obrigada Almirante, por seu exemplo nos encorajar e servir de inspiração a todos.

Esta e outras mulheres que fizeram e fazem parte da história da computação e do software livre também se encontram na Wiki do Linuxchix Brasil.

Táboas de desenho Wacom

Eu nem ia postar, mas pela festa que a Lilia da Radio Paca fez quando eu lhe disse que configurei no Linux uma tableta de desenho Wacom Volito 2, resolvi colocar aqui só pra constar e servir de aviso para quem tem ou quer ter uma também. Esta tableta serve para desenhos, retoques.

A Volito vai ser de presente pra minha irmã, que vem passar as festas de fim de ano aqui comigo. Encontrei o projeto Linux Wacom. A documentação é muito bem escrita e fácil, embora um pouco confusa.

No resumo geral, compilei, substituí o modulo wacom.ko que vem no kernel pelo do pacote, e substituí o driver wacom_drv.so que vem no Xorg. Depois acrescentei a configuração indicada no xorg.conf, eliminando as linhas que não tem a ver com meu dispositivo(que é usb, então removi as partes para serial e para outros dispositivos mais novos). Testei qual era o input correto com xxd, corrigi a entrada no xorg, e foi. Estou fazendo tudo funcionar este fim de semana.

O problema de colocar estas indicações é que tudo depende do kernel que vc esta usando. Se vc está usando o 2.4, tem que substituir vários módulos. A documentação é extensa mas ensina coisas como usar o modprobe, como verificar se foi reconhecido pelo kernel pelo modulo correto. Um dos problemas é se algum módulo fominha achar que o dispositivo é pra ele, como o (usb)hid ou usbmouse. Se isto acontecer, vc vai ter que habilitar as opções para compilar tudo e substituir vários módulos:

Depois de tudo configurado, e reiniciar o X, ele funciona como um mouse. Eu no começo ao tentar desenhar me perdia e saia arrastando coisas pelo desktop, mas depois de alguma prática, está saindo bem. Funciona bem também a questão da pressão aplicada: se vc apertar muito, a tinta sai mais forte, se apertar menos, sai mais fraca. Dá pra fazer efeitos como esfumaçar com a borracha. E o melhor, 16 euros num leilão online 😀

Enquanto isto, no Windows… o CD abre um menu em alemão. Como eu entendo tanto de alemão quanto de Star Trek, saio clicando no que parece ser instalador, só pra ver se tem alguma opção. Ele me mostra o que parece ser a licença, e eu clico onde acho que é pra não concordar, mas acho que errei. Ele começa a instalar(eu acho) alguma coisa, e daqui a pouco, começa a falar comigo em alemão! Sim, lógico que Windows é mais amigável!

iPod 2nd generation no Linux

Ou “Brinquedinho novo”.

Durante a passagem pela Espanha, encomendei um iPod Shuffle 2nd Generation, simplesmente porque ele é irresistível. Sim, aquele minúsculo com pegador, menor que uma caixa de fósforo, 1Gb.

Estive por alguns dias brigando com ele, no começo não sabia que o Amarok suportava, descobri no site do Falcon. Mas não existiam partições, dava “unknown partition table”. Isto depois de ter conectado a primeira vez no iTunes no Windows, porque quando eu testei o iPod a primeira vez que peguei ele, montou na boa. Bom, o fato é que não reconhecer o particionamento não impede de montar-se o disco inteiro. Então ao invés de montar o /dev/sdb1, montei o /dev/sdb direto. E não é que foi?

Descobertas no meio do caminho:

– É mais facil encontrar sites e dicas de colocar o Linux no iPod do que conectar o iPod no Linux. E novamente, a melhor documentação esta no wiki do Gentoo.
– Se seu iPod foi configurado pelo iTunes no Windows, estará em vfat. Se foi configurado no Mac, será HFS+.

Update: embora pareça que o amarok conectou e transferiu as músicas, sem o gtkpod o iPod não toca estas músicas. Antes de transferir com o Amarok, precisamos do gtkpod para construir um arquivo de base de dados(não me pergunte muitos detalhes, eu não lembro exatamente, sei que me falaram isto no canal do amarok). Daí sim, pode-se transferir as músicas e sair ouvindo no seu novo iPod… ufa!

My new precious

Sugestões:

– Eu fui no site da Apple e deixei uma reclamação, de que o iTunes não tinha para Linux e o shuffle não era reconhecido. Que eu ia descobrir como conectar, mas que era uma sacanagem deles usarem tanto código aberto e não terem nem a descência de suportar o que eles usavam nos produtos(tem muito código BSD lá). E que eu ia ajudar o pessoal do Amarok, que afinal de contas era muito melhor que o iTunes. Eu sugiro todo mundo fazer algo assim. Funcionou com a Gol, não?

– Ao pessoal do Amarok, ter que montar o dispositivo é user-scaring. Para que servem aquelas opções de mount e eject então?

Update 2: esqueci de informar as primeiras transferencias realizadas no iPod: Iron Maiden(destaques para Fugitive, Fear of the Dark e Bring your Daughter), Guns N’Roses(destaques para Sweet Child O’Mine, Get in the Ring e Back Off Bitch), e Ramones, lógico(Destaques para Poison Heart, I wanna be sedated e I don’t wanna go down to the Basement).