How-to GazPachBurger

A pedidos (viu Renata), a história de um gazpacho* começa assim:

Ingredientes:

* Tomate: bem maduro. É o principal ingrediente do gazpacho e o mais abundante, os demais ingredientes são para adicionar outros sabores à vontade, de acordo com o gosto de cada um.
* Pimentão verde.
* Cebola terna**: opcional, um pouquinho para ficar mais gostoso.
* Pepino cru: não temperado, é so pepino de salada.
* Ovo cozido: para engrossar.
* Alho: opcional, um pouco – ex. um dente – para adicionar sabor.
* Azeite.
* Vinagre.
* Sal.

O gazpacho é uma salada líquida e refrescante, pelo que suas proporções e condimentos são basicamente as mesmas, só que feita no liquidificador. Na Espanha, saladas são condimentadas usando azeite de oliva (virgem ou não), vinagre de vinho e sal.

Preparação:

1. Lavar e limpar ingredientes. A pele do tomate as vezes não é retirada (a gosto), mas é melhor descascar o pepino…
2. Picar os ingredientes.
3. Colocar os ingredientes no liquidificador, adicionar sal, vinagre e azeite a gosto, e bater.
4. Colocar em uma jarra ou panela. Se preferir, pode-se coar, mas não é obrigatório.
5. Colocar na geladeira.
6. Ao beber, colocar em copos.

Pode-se utilizar como lanche no meio da manhã ou tarde, no almoço ou no jantar. Toma-se gelado da geladeira.

Bom apetite!

Fonte: Catarsis

*Esta receita ligeiramente diferente da apresentada na Wikipedia foi repassada pela mãe do Héctor, que cozinha muuuuuuuuuuito bem.
**Cebola terna é uma cebola colhida antes do tempo. Por ser menos ácida e sabor mais suave, fica ótima em saladas e outras receitas. Aqui no Brasil ainda não vi… ou terá outro nome?

Duas cidades

Já me acostumei com a tua voz
Com teu rosto e teu olhar
Me partiram em dois
E procuro agora o que é minha metade

Quando não estás aqui
Sinto falta de mim mesmo
E sinto falta do meu corpo junto ao teu

Meu coração é tão tosco e tão pobre
Não sabe ainda os caminhos do mundo

Quando não estás aqui
Tenho medo de mim mesmo
E sinto falta do teu corpo junto ao meu

Vem depressa pra mim
Que eu não sei esperar
Já fizemos promessas demais
E já me acostumei com a tua voz
Quando estou contigo estou em paz
Quando não estás aqui
Meu espírito se perde, voa longe

Musica Sete Cidades, Legião Urbana

As barbaridades sobre Gaza

Eu não devia, mas não consigo me conter. Então vou citar aqui um artigo que concordo plenamente:

“E o que os supostos ‘humanistas’ que desumanizam os israelenses têm a dizer sobre o islamofascimo niilista e antissemita em marcha acelerada pelos países do Oriente Médio? O que disseram quando o Hamas lançava dezenas de foguetes diariamente contra a população civil de Israel, buscando e provocando a reação israelense? O que disseram quando o presidente do Irã, já convidado a visitar o Brasil pela ativa Chancelaria brasileira, ameaçou ‘varrer Israel do mapa’ e busca ativamente, com pouca resistência global, uma bomba atômica para poder realizar seu desejo manifesto?

Nada.

Devem achar que a maioria dos israelenses, não sendo humana, não merece seu “humanismo”.

A desumanização de Israel em curso em alguns setores do planeta é um dos maiores equívocos contemporâneos, fruto do antissemitismo, da ingenuidade e da ignorância.

Até as pedras dos cemitérios da Palestina e de Israel sabem que a única saída para o trágico conflito árabe-israelense é a criação de um Estado palestino viável que viva em paz e segurança ao lado do Estado de Israel.

Sucessivas eleições em Israel elegeram maiorias que buscavam justamente esse objetivo de dois Estados. Inclusive o governo atual, cuja principal bandeira era a retirada das tropas e colônias israelenses dos territórios palestinos.

A primeira ação nesse sentido foi a retirada total de Gaza, que se transformou em campo de lançamento de foguetes contra a população civil do sul de Israel, como a linha dura israelense, na oposição, previu que aconteceria. ”

Embora eu frequentemente discorde de artigos publicados na Folha, tenho que concordar com este. A reação talvez – talvez – seja desproporcional e brutal, mas nenhum lado é inocente. Toda história tem dois lados, e ignorar um deles é no mínimo, ignorância.

Sugestão de leitura:

As barbaridades sobre Gaza
A falácia da reação desproporcional de Israel
Realidade e Ilusão na guerra em Gaza
A guerra entre o Hamas e o Fatah, ambos palestinos
A guerra em Gaza e o ódio a Israel
“Rejeitamos trégua permanente com Israel”