Futebol, Eleições e Brasil

Twitter realmente matou o blog… pelo menos o meu 🙂

Futebol

Este ano me vi fazendo algo que sempre me incomodou muito e que sempre critiquei: ficar obcecada pela copa do mundo. Começou de brincadeira, e por pura diversão decidi que ia torcer para a Inglaterra, Espanha e Brasil, claro. Ainda que a torcida para o Brasil fosse incerta: outro campeonato mundial provavelmente influenciariam nas eleicoes, como é de costume. Porém depois dos primeiros jogos, mesmo achando difícil de acompanhar – 90 minutos para meia dúzia de lances emocionantes eh um custo x beneficio duvidoso – aos poucos fui me vendo cada vez mais ligada no assunto, ate virar meu monotema no Twitter.

Via amigos que continuavam com o mesmo desdém que eu antes tinha pela copa soltarem sua irritação pela mesma estar monopolizando tanta atenção, e fiquei pensando a respeito. Primeiro, como é que eu vim parar aqui? Segundo, o que tem demais?

O primeiro eu ainda não sei. Mas o segundo me arrisco a algumas teorias, que podem até estar relacionadas com o primeiro. Uma das coisas que muitos brasileiros que moram fora conhecem eh a idealização do Brasil. De tanto vermos gringos exaltando as belezas, o bom humor e a comida brasileira, acabamos por nos contagiar com esta perspectiva. Quando comecei a viajar para outros países, pensei que veria algo muito diferente, e minha surpresa foi encontrar não só o fato de que todo lugar tem seus problemas, como o fato de que muitíssimos lugares enfrentam exatamente os mesmos problemas. Acho que minha maior surpresa foi ver muita gente dizer “So mesmo no meu país”, o que eu sempre dizia. Entao acabei mudando um pouco minha opinião. Nao é o pior lugar do mundo para se viver – mas muito menos o melhor.

Outra questão era que eu sempre tive a opinião de que quem se importava com copa do mundo não tinha mais o que fazer da vida. E graças ao Twitter, Facebook e outros, vi que eu não poderia estar mais errada. Que muita gente que eu conhecia e admirava exatamente por serem inteligentes, bem informados e trabalhadores se ligavam no assunto com o mesmo fervor que todos. Países conhecidos por seu afinco no trabalho e respeito as regras, como Alemanha, Inglaterra e outros, paravam para ver as partidas exatamente da mesma maneira que eu via no Brasil. O que estaria acontecendo aqui?

Simples passatempo, pura e simplesmente. Vi muita gente conclamando que o povo deveria se manifestar sobre assuntos importantes como política com o mesmo interesse que se manifestava sobre a copa. Mas, pensando bem, não o fizeram? Fora Sarney não foi um trending topic também?

Política

E ja que a maior cobrança era sobre manifestações políticas ao inves de futebolisticas, fiquei pensando no meu voto. Sim, porque eu fiz questão de ir ao consulado de Londres, perder 2hs na fila para ter que voltar na próxima semana e perder mais duas (fui justamente quando Eyjafjallajökull interrompia meio mundo, deixando assim o consulado sem selos oficiais) para garantir que minha opinião seja registrada na eleição deste ano. Opinião esta insegura, na linha de escolher o menos pior, desanimada pelas pesquisas, mas mesmo assim, decidi nao anular meu voto e tentar desfazer a burrada que fiz 8 anos atras quando votei no Lula.

Eu comecei a votar com 16 anos, mas muito antes disto, eu queria participar. Fiquei extremamente infeliz com o resultado da eleicao de 1989 – eu sempre fui muito precoce para tudo, e com 12 anos ja tinha opinião sobre quem eu confiava ou não. Bastante ingênua, mas concordava com coisas sobre o não pagamento da dívida externa, que era um absurdo a quantidade de dinheiro que arrecadavamos comparado com o estado da saúde e das estradas do país. Que a quantidade de ministerios era muito grande, e que cada candidato apenas aumentava este numero. (Que diferença para hoje em dia!!!)

Entao de 94 a 2002, eu votei no Lula. Acreditava que seria diferente. Acreditava naquela indignação sobre a corrupção imperante no Brasil. Ah, como eu fui ingênua. O governo Lula e o PT, na minha opiniao, constitucionalizaram a corrupção, na maior cara de pau. Afinal, se um pais inteiro reelege um candidato cujos coordenadores de campanha foram preso com 2 milhoes de reais para um falso dossiê, cujo inteiro grupo de amigos e apoiadores mais proximos foram todos afastados pelo escandalo do mensalão – e não me venha com xurumelas dizer que ninguém foi condenado ainda, porque impunidade dos seus é a segunda coisa institucionalizada por este governo – aceitou definitivamente que corrupção faz parte. Por todos os lados, quando eu digo que vou votar em quem quer que seja para tirar o PT do poder para passar a mensagem que corrupção não eh aceitavel, todo mundo que vai votar no PT me diz “ah, mas todo mundo rouba”. Caracoles. Eu não roubo, porque vou aceitar e ainda dar permissao para me roubarem?

Brasil

O que me leva ao último ponto. O problema não são os politicos. Se fossem, alguém novo que entrasse mudaria algo, e pode entrar quem seja, não muda o cenário. O problema é o brasileiro. O problema é não ter em quem votar, porque todo mundo, absolutamente todo mundo que entra para esta vida vai para se dar bem. Seja por dinheiro, seja por poder, por favores, todos eles governam pensando na próxima eleição, não em que seria melhor para o povo. Eu não acredito em nenhum, nenhum politico, e ja repeti isto muitas vezes. Todos os politicos envolvidos com software livre no Brasil são tremendos demagogos, vendo no SL uma bandeira a mais para se abanarem. Muita gente envolvida com política não entende a aversão que temos deles, mas é bem simples: imagine que eu trabalho duramente de manhã cedo ao fim da tarde, pago impostos, tenho deadlines e tudo é feito sempre pensando em cortar custos. Deste meu dinheiro, saem os impostos que pagam viagens de caravanas de 50 pessoas para eventos de software livre, para mostrarem que em dois anos fizeram o trabalho que se fossemos nós em nossa empresa, teriamos um prazo de um mês. Claro que eles sabem muito bem porque detestamos esta mistura, mas fingir que não entendem é bem mais facil.

Mas voltando ao ponto, o problema é que o brasileiro é corrupto. O brasileiro paga 50 reais ao guarda para não ganhar uma multa por estar dirigindo fora da velocidade permitida. O brasileiro adora quando recebe o troco a mais. O brasileiro acha que não tem nada de mais enganar um bêbado na conta. É a centenar história: farinha pouca, meu feijão primeiro. E vou um pouco mais além: o homem brasileiro acha bonito trair, acha que é mais macho por enganar a pessoa que esta do lado dele todo dia e toda noite. Se trair seu principal companheiro é aceitável, porque não o seria com alguem bem menos próximo?

E quando penso nisto, tenho a maior vontade de votar nulo, porém isto seria desperdiçar meu voto, seria apenas uma falsa sensacão de nao compactuar com a situação. Mas isto seria apenas me isentar das responsabilidades e não me adiantaria nada, então me contento em tentar desautorizar esta bandalheira que rola solta. Além do mais, não votar na Dilma é uma escolha muito obvia. Concordo plenamente com as analises de que a Dilma que existe nao é candidata, e a que é candidata não existe. A Dilma é apenas um fantoche que marketeiros estão tentando fazer funcionar. Ela apenas recita o que é passado, e mesmo assim, sem a menor competência.

A Marina Silva parece bastante coerente nas suas posiçoes, mas preciso ler mais a respeito. Confesso que o fato de ser evangélica me dá arrepios, vide o que acontece no Rio de Janeiro. Acredito em um estado laico, onde pessoas que pagam seus impostos igualmente deveriam ter os mesmos direitos igualmente, e que religiao é uma questao individual que nunca deveria ser usada para suprimir de outras pessoas a liberdade individual. Mas lembrando dos medicamentos genéricos, a batalha contra as empresas de cigarros, e lendo o histórico de vida, meu voto atualmente vai para o Serra. Um candidato que nunca teve muito a minha simpatia, nao sei bem porquê. Talvez seja a semelhança com o Mr Burns. Mas no momento, é o que me decidi. Se ele ganhar, não sera uma vitoria, mas pelo menos não será uma derrota tão retumbante perante a intimidação da imprensa, a corrupção e a vergonha que me dão os discursos do nosso presidente.

Enfim

Bom, aí esta minha manifestação sobre política. Se vai alcancar tanta audiência como meus twitts sobre a copa não sei, mas espero. Se eu prometer fazer isto toda eleição, posso torcer sossegada?

Parabéns Espanha! Bem vindos ao clube 😉

E fica aqui o desejo que um dia não só o Brasil mas como todo o mundo valorize mais a honestidade, o trabalho e a igualdade que dinheiro e status. Que uma pessoa valha mais por seu caráter, não pelo tamanho da casa ou o preço do carro. E que cada seja feliz o suficiente com a própria vida para não estar cuidando e ditando como os outros devem levar as suas próprias vidas.