Chegando lá

Eu tenho ouvido de vez em quando esta frase – você chegou lá. Ouvi algumas vezes na vida, mas ultimamente tem sido mais frequente, seja de um parente que me descobriu na internet ou um conhecido de muitos anos.

Eu sempre achei esta frase um pouco confusa. Lá onde? Ou melhor, aqui, e aqui é onde? Eu imagino que queiram dizer que eu cheguei a um lugar confortável, reconhecido, de sucesso. Porque onde é aqui mesmo, se nem eu sei, imagino que seja difícil imaginar para qualquer um. Quem me conheceu antes geralmente não consegue imaginar ou dimensionar minha vida agora. E quem me conhece agora não consegue imaginar ou dimensionar o que foi antes. Eu agradeço quando me falam isto, mas até pra mim é difícil olhar pra trás e ver o começo.

Mas o que eu sempre fico com vontade de dizer para estas pessoas é que na verdade, você nunca chega lá. Quando você chega lá, ao horizonte que havia visto anteriormente, já tem um outro horizonte a vista. Tem gente que nem começa a viagem, porque o horizonte está longe. Tem gente que nunca para pra contemplar a vista…

Acho que muita gente se refere ao “chegar lá” de maneira financeira. E certamente, minha vida é muito mais confortável agora. E muito mais segura, principalmente morando fora do Brasil. Mas a máxima que dinheiro não trás felicidade foi comprovado por um estudo, que tentou descobrir se as pessoas eram mais felizes sendo mais ricas que outras. E descobriram que existe um ponto onde mais dinheiro não significa mais felicidade. Até um certo ponto sim, porque a falta de dinheiro é uma causa de infelicidade. Mas o excesso dele não faz diferença. Nos EUA este valor é estimado em US$75mil ao ano. Menos que isto pode te fazer infeliz, mas depois disto sua felicidade é a mesma que quem ganha US$300mil ao ano. Simplificando o estudo, “depois que você tem dinheiro suficiente para ir no cinema e comprar pipoca sem se preocupar com a conta de água, sua felicidade entra em um platô”. Eu gosto de ganhar o suficiente para ter uma vida confortável e pensar no futuro, mas gosto muito mais de aproveitar o agora que guardar pra depois. Eu sempre pensei que quero aproveitar a vida agora, viajar, quando estou jovem e com saúde. Esta história de trabalhar demais e acumular pra depois ter que gastar com remédios nunca foi pra mim… alias, ja escrevi uma vez minha opinião sobre dinheiro aqui… http://sulamita.net/2009/03/27/da-pra-parcelar-em-um-milhao-de-vezes/

E o fato de que o mundo é redondo tem uma consequência que muita gente que “chega lá” falha em entender – você não vai estar sempre por cima. Eu vejo isto vez após vez após vez… seja alguém que ganhou uma promoção ou alguém que começou a ser reconhecido na comunidade – já que muita gente que vem a este blog vem da mesma comunidade. Parabéns se você começou a ser reconhecido e se até te convidam para palestras! Mas isto não faz de você um guru de suma sabedoria. Nem uma celebridade. Pensa – são 7 bilhoes de pessoas no mundo; cerca de 1,5 bilhão tem acesso a internet; a maioria usa open source sem saber, mas a comunidade contribuidora em si deve corresponder a que… umas 300 mil pessoas? Não faço ideia, mas você entendeu o conceito ne? Então, deste suposto numero, qual seria este número para o Brazil? Mesmo que você tenha viajado para outros países, a probabilidade é que você conheceu apenas uma pequena parte, e que foi conhecido por mais alguma parte. E você aí já se achando um Tanembaum? Um Júlio Neves? 🙂

Ou novos gerentes que acham que de agora em diante, são imperadores e podem fazer o que quiserem. Ou que não devem mais ‘se misturar’. E descarregam todas suas frustrações e complexos nos subordinados. Novamente, o mundo gira… e pessoas que antes tinham uma divisão de várias dezenas de pessoas podem virar “contribuidores individuais”, como chamam. E os antigos subordinados podem agora estar em posições de poder, posições que poderiam ajudar… ou repetir o mesmo padrão.

Você sempre vai estar por baixo em algum momento no futuro, e eu acredito que aí vão te cobrar o que você fez quando estava por cima. Ter noção do sucesso trazido pelos seus esforços e trabalho são ótimos. Saber se defender da inveja alheia é necessário. Mas também manter em vista o seu real tamanho no mundo ajuda a não deixar isto “subir a cabeça”. E é isso que eu gostaria de encontrar uma maneira simples de demonstrar para todo mundo, mas sempre vai ter alguém achando que é o Escolhido… aí só resta ter paciência e esperar o mundo girar novamente…

E quanto a mim, é uma sensação boa olhar para trás e não ver o começo. Mas olho pra frente e ainda não vejo o final, o que é ainda mais emocionante 🙂